relatório 10 -2 (2)

August 7, 2017 | Author: Jéssica Cascaes | Category: Solution, Coordination Complex, Copper, Water, Chemical Compounds
Share Embed Donate


Short Description

Download relatório 10 -2 (2)...

Description

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS-UEA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA-EST

RELATÓRIO DA DÉCIMA PRÁTICA: QUÍMICA BIOINORGÂNICA: SÍNTESE DOS COMPOSTOS COBRE-GLICINA E CROMO-GLICINA

MANAUS/AM

RESULTADOS E DISCUSSÕES GLICINATO DE COBRE II No organismo, o Cu(II) tem papel essencial no organismo, sendo encontrado em várias enzimas e proteínas que tem funções centrais em muitos processos biológicos. Ele pode interagir de diversos modos com essas moléculas, já que elas apresentam diferentes sítios de coordenação. A glicina, por exemplo, possui dois potenciais sítios de ligação, que podem fazer do aminoácido um ligante mono ou bidentado.[1] A coordenação se dá através do átomo de nitrogênio do grupo amino e/ou pelo oxigênio desprotonado do grupo carboxilato. A síntese do glicinato de cobre utiliza como precursores, o acetato de cobre mono hidratado e glicina. A reação que descreve a formação do complexo é representada pela equação a seguir: Cu(CH3CO2)2.H2O (aq) + 2 H2NCH2CO2H (aq)↔[Cu(gly)2](s) + 2 CH3CO2H(aq) Estando todas as vidrarias dispostas sobre a bancada, iniciou-se o procedimento experimental preparando-se, num béquer de 10 cm3, uma solução contendo 100,0 mg de acetato de cobre mono hidratado dissolvido em 1,5 mL de água. O etanol 95% que deveria ser adicionado em seguida foi previamente aquecido em um béquer, na chapa aquecedora, até uma temperatura de 700C. Ao atingir esta temperatura foi retirado do mesmo 1 cm3 e acrescentado a solução previamente preparada. Enquanto o álcool era aquecido, em outro béquer foi preparada uma solução de 0,75g de glicina dissolvida em 1 cm3 de água. Tendo ambas as soluções em mãos, estas foram misturadas e dispostas em um banho de gelo. Esperava-se que houvesse a formação de um precipitado, o complexo acima citado, o que não ocorreu devido provavelmente ao uso de uma proporção de soluto e solvente inadequada, na segunda solução, com mostra a literatura.[2]Ou também pode ter ocorrido porque a temperatura do etanol na solução não ser exatamente 700C, como o requerido pelo roteiro do experimento. [3] Visto que não houve formação de precipitado, os demais procedimentos, como a sua filtração e aquecimento, não puderam ser realizados.

GLICINATO DE CROMO III

Em um béquer de 50 ml com colocou-se 50 ml de água destilada e acrescentouse 2,6605g de Cloreto de Cromo e 2,2550g de Glicina[3]. O cloreto de cromo tem uma coloração verde escura, logo a solução ficou dessa coloração imediatamente após acrescentá-lo à solução. A glicina, de coloração branca, não interferiu significativamente a cor da solução. A solução, depois de pronta, foi levada à chapa aquecedora, para que o processo de solubilização pudesse acelerar um pouco mais. Quando a água já estava fervendo, 3 moles de Hidróxido de Sódio (1,2304g) foram lentamente adicionados. Obteve-se uma solução de coloração violeta. Levou-se essa solução ao funil onde havia sido colocado um papel de filtro, aguardou-se o período em que a solução passava pelo filtrador e se depositava no erlenmeyer. No filtrado, não se observou formação de cristais, no entanto sabe-se que eles estavam presentes, porém em tamanhos muito pequenos, como pó. A solução violeta obtida tem essa coloração devido à composição natural do Cloreto de Cromo III que é violeta, quando na presença de hidróxido e da glicina (que funcionam como “combustíveis”), em meio aquoso e sob condições de aquecimento, prevalecem suas características habituais. CrCl3 e seus complexos só reagem geralmente muito devagar na ausência de um agente redutor capaz de reduzir Cr3+ para Cr2+. Porém, em presença de uma pequena quantidade, CrCl3 se dissolve rapidamente na água[4].

REFERÊNCIAS: [1]

SILVA, A. M. et al. Avaliação da estabilidade de complexos formados entre o íon cobre (II) e os aminoácidos tirosina e glicina. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Química, 2010. Disponível em:. Acesso em: 30 nov. 2012. [2]

MAIA, J.R.;BRAATHEN, P.C.; Pratica de química inorgânica – complexos; Universidade Federal de Viçosa. 2010. Disponível em: Acesso em: 30 nov. 2012. [3]

SILVA, C. C., Apostila de Práticas de Química Geral e Inorgânica. 1.ed. Manaus, 2011. [4]

WALLAUER, F.A. Síntese e caracterização de um complexo de Cr (III) com ácido glutâmico e glicina, potencial agente antiglicemiante. Disponível em: . Acesso em: 4 dez. 2012.

View more...

Comments

Copyright ©2017 KUPDF Inc.