Análise do discurso: lugar de enfrentamentos teóricos

September 21, 2017 | Author: Camila Diz | Category: Michel Foucault, Ideologies, Linguistics, Epistemology, Cognitive Science
Share Embed Donate


Short Description

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003...

Description

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. ANÁLISE DO DISCURSO: LUGAR DE ENFRENTAMENTOS TEÓRICOS

Maria do Rosário Valencise Gregolin1 1. Da lingüística do enunciado à lingüística da enunciação Em seu livro História e Lingüística, Régine Robin(2) analisa as mudanças ocorridas no campo dos estudos da linguagem, no final da década de 1960, com a passagem de uma “lingüística da frase” para uma “lingüística do discurso”. Segundo a autora, a lingüística do discurso pretendeu ultrapassar a análise do enunciado e fazer estourar o espartilho que apertava o objeto da Lingüística (p. 88), levando-a a interessar-se por novos objetos - o universo conotativo da linguagem, o jogo das implicações e das pressuposições, o campo retórico-estilístico, as estratégias dos argumentos do discurso, etc. – e, conseqüentemente, desenvolvendo novas formas de encarar a configuração dos saberes. Essa mudança no olhar o seu objeto, fez que a Lingüística vivesse a hora das revisões fundamentais (p.88), que ela revisitasse a oposição entre a langue e a parole e que retomasse a discussão sobre as exclusões

da

Lingüística

saussureana.

Essas

mudanças

tornaram

possível

o

desenvolvimento de uma teoria da enunciação e provocaram o aparecimento de uma Lingüística que se ocupará do discurso. No entanto, isso não se deu de forma abrupta, nem, muito menos, tranqüila: a enunciação ora foi pensada em termos de processo, ora em termos de marcas em uma enunciação enunciada – e, assim, os pesquisadores hesitaram entre uma concepção muito ampla e uma concepção muito restritiva dos elementos que haviam sido deixados em suspenso a partir das propostas de Saussure (o sujeito, a História, o discurso). A importância e a centralidade que a enunciação assume no interior da “lingüística do discurso” evidencia que ela não é um conceito já absolutamente consolidado, mas o signo de um problema. 2. A lingüística do discurso

1

Docente da Universidade Estadual Paulista – UNESP, campus de Araraquara, SP. Robin, Regine. História e Lingüística. São Paulo: Cultrix, 1977.

2()

1

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. Vários autores, como Maingueneau (1976)(3), propõem que os formalistas russos foram precursores da lingüística do discurso, ressaltando, entretanto, que a perspectiva imanentista impediu que suas pesquisas fizessem avançar a discussão sobre a enunciação. Nos anos 1960, duas direções estavam desenhadas e delinearam o futuro dos trabalhos sobre o discurso: de um lado, o estruturalismo americano possibilitou a ampliação do escopo das abordagens e permitiu a análise das relações transfrásticas; de outro lado, os trabalhos de Benveniste e de Jakobson trouxeram as questões ligadas à comunicação para o interior das análises lingüísticas. A preocupação com a enunciação separa, portanto, uma análise do discurso européia de uma linha americana e, segundo Orlandi (1986, p. 16)(4), essas duas direções vão marcar duas maneiras diferentes de pensar a teoria do discurso: uma que a entende como a extensão da Lingüística (que corresponderia à perspectiva americana) e outra que considera o enveredar para a vertente do discurso o sintoma de uma crise interna da Lingüística, principalmente na área da semântica. Assim, a tendência européia , partindo de ‘uma relação necessária entre o dizer e as condições de produção desse dizer’ coloca a exterioridade como marca fundamental e exige um deslocamento teórico, de caráter conflituoso, que vai recorrer a conceitos exteriores ao domínio de uma lingüística imanente para dar conta da análise de unidades mais complexas da linguagem.

A história da lingüística do discurso pode, então, ser visualizada, a partir dos anos 1960, por meio da relação que se vai estabelecer entre a Lingüística e outras disciplinas, na busca da interdisciplinaridade para a análise de um objeto “além da frase”, que exige a abordagem da articulação entre o lingüístico e o seu “exterior”: a) Esse é o objetivo da sociolingüística. No entanto, ela não problematiza o estatuto da relação entre a ordem do discurso e a ordem sócio-histórica. Por isso, ela não consegue solucionar a relação entre a análise “interna” e a análise “externa”, e passa da análise lingüística à busca de uma covariância com o nível social. Desde cedo evidenciou-se essa fragilidade das análises, já que, para explicar o “discurso”, é necessário construir um objeto descritível por processos lingüísticos, mas que se integre a uma teoria geral das sociedades (Robin, 1977, p.92); 3() 4()

2

Maingueneau, Dominique. Iniciação aos métodos de análise do discurso. Paris: Hachette, 1976. Orlandi, E. A análise do discurso: algumas observações. Em: DELTA, vol. 2, nº 1, 1986.

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. b) Algumas propostas, apesar de terem passado ao nível além da frase, permaneceram apenas “internas” (Lingüística Textual; gramáticas de texto), ou tomaram a “enunciação” em sentido lógico (pragmática, atos de fala, etc.); c) Outras propostas são apenas conteudísticas e deixam de fora da análise os aspectos lingüísticos. É o caso de trabalhos realizados no campo da pedagogia, da sociologia, da história, da antropologia, etc. que aplicam conceitos de correntes da “lingüística do discurso”. O problema desses estudos é a opção pela abordagem temática, negligenciando-se aspectos lingüísticos (por exemplo, a estrutura sintática dos textos, o léxico específico e as redes semânticas que se estabelecem entre os vocábulos). Da mesma maneira, não se trata do nível propriamente discursivo, sua estrutura, sua retórica, os mecanismos de enunciação5. 3. A fundação da Análise do Discurso na França Para Maldidier (1990, traduzido em 1997)(6), a história da Análise do Discurso na França pode ser lida através de uma dupla fundação, no final dos anos 60, nas figuras de Jean Dubois e de Michel Pêcheux. Apesar das diferenças, os dois fundadores tinham como pano de fundo o panorama da França da época. Dubois e Pêcheux eram ligados ao marxismo e à política. Nesse final dos anos 60, Jean Dubois escreveu o texto que é considerado como “manifesto” da AD 7 e Michel Pêcheux publicou Analyse Automatique du Discours, livro que inaugura uma abordagem transdisciplinar convocando uma teoria lingüística, uma teoria da história e uma teoria do sujeito. 5

Segundo Robin, há, evidentemente, exceções. Alguns historiadores não trabalharam com séries temáticas, mas com uma tipologia de texto; neles a estrutura lingüística do texto é levada em consideração: é pela mudança do tipo de discurso que o pesquisador vai inferir as grandes rupturas da sensibilidade de uma certa época. Vovelle, por exemplo, analisou testamentos e verificou que na época barroca eles eram pomposos, o sujeito fazia súplicas aos santos de devoção. A partir de 1760 houve uma laicização (“despovoou-se o panteão dos intercessores”) e uma individualização do discurso que apontam para uma “descristianização” da idéia da morte expressa discursivamente nos testamentos. 6() MALDIDIER, D. Elementos para uma história da AD na França. Em: Orlandi, E. (org.). Gestos de Leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. 7 Trata-se do artigo “Lexicologia e análise de enunciado”, traduzido em Orlandi, E. (org). Gestos de Leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

3

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. Nos dois autores, problematiza-se a relação entre o objeto (discurso) e o dispositivo de análise, no entanto as diferenças entre as propostas desses dois fundadores explicam os rumos que a Análise do Discurso vai tomar posteriormente. Dubois era já um lexicólogo famoso, um lingüista ligado à universidade, criador da revista Langages. Pêcheux era filósofo, ligado a Althusser, preocupado em discutir a epistemologia das ciências naquele momento em que a Lingüística vivia sua “crise epistemológica” ao mesmo tempo em que o estruturalismo triunfante pregava o sonho da “ciência piloto”. Pêcheux já via, nesse discurso triunfante da Lingüística estrutural, as transferências metafóricas para outros campos, sua apropriação e banalização. É por isso que, já no livro de 1969, Pêcheux questiona a “ciência piloto” por meio da crítica ao “corte saussureano” que operou a separação entre langue e parole e levou à eleição da primeira como objeto de estudos da Lingüística. Assim, a Análise do Discurso fundada por Pêcheux foi pensada como uma ‘negação’ e uma ‘superação’ do gesto separador de Saussure (Chevalier, 1974, p. 132). Esse pano de fundo evidencia que Marxismo e Lingüística presidiram o nascimento da Análise do Discurso, na França do final dos anos sessenta. No entanto, os dois fundadores enxergavam de maneira distinta essa relação. Para Dubois, a AD seria uma continuação natural da Lingüística; tratava-se de colocar um modelo sociológico para estender a análise lingüística à enunciação e o dispositivo de análise tinha como objetivo o controle das variantes de um corpus contrastivo. Para Pêcheux, tratava-se de criar um novo campo de investigação e suas preocupações eram a epistemologia, o “corte saussureano”, a reformulação da parole. Ao propor esse novo campo do saber, ele interroga a metodologia, propõe um dispositivo analítico a fim de integrar a análise das condições de possibilidades do discurso, dos processos discursivos. O novo campo toma um novo objeto (que não é o dado empírico, que é diferente de “enunciado”, diferente de “texto”): o discurso, cuja espessura opera a articulação entre o lingüístico e o histórico. Uma outra grande diferença entre as duas propostas diz respeito ao conceito de enunciação. Em Dubois há a assunção explícita da categoria da enunciação, a partir dos trabalhos de Benveniste e de Jakobson, o que determinava a incorporação do conceito de “sujeito do discurso” por uma via idealista, sem problematização. Já Pêcheux, adotando a base marxista, pela perspectiva de Althusser, propõe uma teoria não subjetiva do discurso8. 8

A partir da clássica discussão althusseriana sobre os aparelhos ideológicos do Estado, Pêcheux desenvolve uma teoria do sujeito e da sua interpelação pela ideologia. Não há sujeitos individuais, no discurso, há

4

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. No panorama histórico posterior à fundação, mudanças políticas e epistemológicas 9 levaram a “AD francesa” a uma incessante reconstrução e retificação. Inquieto, Pêcheux reelaborou suas propostas, tendo como base uma reflexão sobre os contextos epistemológicos e as “filosofias espontâneas” subjacentes à Lingüística10. 4. Referências fundadoras da Análise do Discurso Os trabalhos de Michel Pêcheux são fonte para inúmeras pesquisas em Análise do Discurso. O que caracteriza essas abordagens é, principalmente, o fato de os pesquisadores colocarem-se como tarefa a problematização permanente das suas bases epistemológicas 11. Dessa problematização permanente decorre que o objeto da AD – o discurso – seja um lugar de enfrentamentos teórico - metodológicos. Quatro nomes, fundamentalmente, estão no horizonte da AD derivada de Pêcheux e vão influenciar suas propostas: Althusser com sua releitura das teses marxistas; Foucault com a noção de formação discursiva, da qual derivam vários outros conceitos (interdiscurso; memória discursiva; práticas discursivas; etc.); Lacan e sua leitura das teses de Freud sobre o inconsciente, com a formulação de que ele é estruturado por uma linguagem; Bakhtin e o fundamento dialógico da linguagem, que leva a AD a tratar da heterogeneidade constitutiva do discurso. A natureza complexa do objeto discurso – no qual confluem a língua, o sujeito, a história – exigiu que Michel Pêcheux propusesse a constituição da AD como um campo de articulação entre diferentes teorias, um campo transdisciplinar. No artigo escrito em conjunto com C. Fuchs, publicado em 197512, Pêcheux apresenta o quadro epistemológico geral da AD que, segundo ele, “formas-sujeito” produzidas pelo assujeitamento à ideologia. 9 Principalmente a problematização do conceito de “história”, “memória”, “interpretação” (com Courtine, principalmente) e a aproximação com J. Authier-Revuz (cujo trabalho permite pensar as relações entre o intradiscurso e o interdiscurso). 10 Há vários textos de Michel Pêcheux nos quais ele discute as filiações, as vizinhanças, os contextos epistemológicos da Análise do Discurso. Traduzidos para o português há, por exemplo, os seguintes textos: “Os contextos epistemológicos da Análise do Discurso”; “Há uma via para a Lingüística fora do logicismo e do sociologismo?”; “A desconstrução das teorias lingüísticas”. 11 Um balanço dessa construção pode ser lida no texto escrito por Pêcheux em 1983 e traduzido para o português: PÊCHEUX, M. AAD: três épocas. In: GADET, F. e HAK, F. (org.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de M. Pêcheux. Campinas: Pontes, 1990. 12 PÊCHEUX, M. & FUCHS, C. Mises aux points et perspectives à propos de l’AAD. In: Langages 37. Paris: Larousse, março de 1975.

5

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. reside na articulação de três regiões de conhecimentos científicos: (a) o materialismo histórico como teoria das formações sociais e de suas transformações, aí compreendida a teoria das ideologias; b) a lingüística como teoria, ao mesmo tempo, dos mecanismos sintáticos e dos processos de enunciação; c) a teoria do discurso como teoria da determinação histórica dos processos semânticos. (...) Essas três regiões são, de uma certa maneira, atravessadas e articuladas por uma teoria da subjetividade, de natureza psicanalítica. (1975, p. 8).

As contribuições de Althusser, Foucault, Lacan e Bakhtin vão operar essa articulação entre regiões do conhecimento no alicerce da AD. Levando esses pilares para a reflexão sobre a articulação entre língua, sujeito, discurso e história, Michel Pêcheux constituiu o edifício da Análise do Discurso em movimentos teórico-analíticos nos quais o seu pensamento se aproximou desses outros três pensadores. Essas aproximações não devem ser vistas de forma estanque pois, como é próprio da natureza do fazer científico, cada um desses pensadores dedicou-se à construção de saberes dentro das ciências humanas e, por isso, movimentaram-se, alargando e retificando conceitos, fazendo e refazendo rumos13. Do mesmo modo, ao levar para a Análise do Discurso idéias elaboradas por esses pensadores, Michel Pêcheux não operou apenas uma transferência de conceitos fabricados em outros lugares; ao contrário, ele os interpretou e re-elaborou, criando diferenças14. 4.1. O primeiro pilar: Louis Althusser Segundo as teses marxistas, o modo de produção da vida material domina o desenvolvimento da vida social, política, intelectual de uma sociedade. Assim, a economia determina em última instância uma formação social. Dessa base econômica surgem as classes de uma sociedade, no interior das quais há sempre relações de dominância e de dominação. Por isso, do ponto de vista da concepção materialista da História, o fator determinante na História é, em última instância, a produção e a reprodução da vida material. Para Althusser, uma ideologia não é uma “falsa consciência” (sentido que Marx 13

Analisando as relações entre o fazer da ciência e os movimentos históricos, afirma de Certeau (1975, p. 72): aqueles que acreditam que a ciência é ‘autônoma’ (...) consideram como não pertinente a análise das determinações sociais, e como estranhas ou acessórias as imposições que ela desvela. Essas imposições não são acidentais. Elas fazem parte da pesquisa. Bem longe de representarem a intromissão de um estranho no Santo dos Santos da vida intelectual, formam a textura dos procedimentos científicos. 14 Uma discussão mais extendida dessas aproximações, distanciamentos e re-elaborações operadas por Pêcheux pode ser lida em GREGOLIN, M. R. O sentido e suas movências. In:___ (org). Análise do Discurso: entornos do sentido. São Paulo, Araraquara: Acadêmica/FCL-UNESP, 2001.

6

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. lhe atribuíra), mas a maneira pela qual os homens vivem as relações com suas condições materiais de existência. Quatro são os traços que parecem caracterizar a ideologia: elas não são arbitrárias, mas orgânicas e historicamente necessárias (Gramsci); elas têm uma função específica numa formação social - ocultam e deslocam as contradições reais de uma sociedade; elas são inconscientes de suas próprias determinações, de seu lugar no campo das lutas de classes; elas têm uma existência material em instituições (“aparelhos ideológicos”). Cada formação ideológica constitui um complexo conjunto de atitudes e de representações que não são nem “individuais” nem “universais”, mas que se reportam mais ou menos diretamente a posições de classes em conflito, umas em relação com as outras. As formações ideológicas comportam uma ou mais formações discursivas, isto é, o que pode e deve ser dito a partir de uma dada posição em uma dada conjuntura. As palavras mudam de sentido ao passar de uma formação discursiva para outra e não podem ser apreendidas senão em função das condições de produção, das instituições que as implicam e das regras constitutivas do discurso. Por isso, não se diz uma coisa qualquer, num lugar qualquer, num momento qualquer. A partir dessas idéias althusserianas, Pêcheux elaborou um conceito de condições de produção do discurso a partir das relações entre língua e ideologia. Para ele, há um préasserido que se impõe ao sujeito e vai permitir o processo de produção do discurso. É a tomada de posição do sujeito falante em relação às representações de que é suporte. O sujeito não é considerado como um ser individual, que produz discursos com liberdade: ele tem a ilusão de ser o dono do seu discurso, mas é apenas um efeito do assujeitamento ideológico. O discurso é construído sobre um inasserido, um pré-construído (um já-lá), que remete ao que todos sabem, aos conteúdos já colocados para o sujeito universal, aos conteúdos estabelecidos para a memória discursiva. 4.2 O segundo pilar: Michel Foucault As idéias expressas por Foucault em A Arqueologia do Saber, livro publicado em 1969, são determinantes para a construção da Análise do Discurso. Nesse livro, de caráter teórico-metodológico, Foucault reflete sobre os seus trabalhos anteriores e sistematiza uma

7

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. série de conceitos determinantes para a abordagem do discurso. Por ter esse caráter de revisão teórico-analítica, nesse livro Foucault desenha um vasto campo de questões no interior das quais pode-se pensar uma teoria do discurso, e que pode ser resumido nos seguintes pontos: a) o discurso é uma prática que provém da formação dos saberes e que se articula com outras práticas não discursivas; b) os dizeres e fazeres inserem-se em formações discursivas, cujos elementos são regidos por determinadas regras de formação; c) como uma dessas regras, há a distinção entre enunciação (jogos enunciativos que singularizam o discurso) e enunciado (unidade lingüística básica); d) o discurso é um jogo estratégico e polêmico, por meio dos quais constituem-se os saberes de um momento histórico; e) o discurso é o espaço em que saber e poder se articulam (quem fala, fala de algum lugar, a partir de um direito reconhecido institucionalmente); f) a produção do discurso gerador de poder é controlada, selecionada, organizada e redistribuída por procedimentos que visam a eliminar toda e qualquer ameaça a esse poder. A partir dessas propostas, pode-se perceber que Foucault está interessado, ao propor uma arqueologia do saber, em analisar as condições de possibilidade dos discursos, o campo problemático que lhes assinala um certo modo de existência e que faz com que , em determinada época, em determinado lugar, não se diga, não se diga absolutamente qualquer coisa. Essas condições de possibilidade estão inscritas no discurso – elas delineiam a inscrição dos discursos em formações discursivas. Foucault já havia analisado, nos trabalhos anteriores a maneira pela qual se tinham modificado, no fim do século XVIII e começo do XIX, as formas de enunciação do discurso, o conjunto dos enunciados no âmbito da formação discursiva que sustentava os saberes nessa época 15. Por meio dessa análise, Foucault estabelece explicitamente as relações entre os dizeres e os fazeres (as

15

Foucault já analisara a constituição do saber sobre a medicina e a loucura (A História da Loucura e O Nascimento da Clínica) e em As Palavras e as Coisas ele analisara a mudança dos saberes da episteme clássica para a episteme moderna (passagem do século XVIII ao século XIX) com relação aos temas da vida, da linguagem e do trabalho.

8

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. práticas discursivas e as ações dos sujeitos na história dos saberes) apontando a nãoautonomia das práticas discursivas16. Em A ordem do discurso (aula inaugural proferida no College de France em 1970)17, Foucault propõe analisar conjuntos de discursos (literários, religiosos, éticos, médicos, jurídicos) para neles investigar os dispositivos de interdições e controles que vigiam o aparecimento e a circulação dos sentidos na sociedade - daí a idéia de descontinuidade, de pluralidade de séries, de dispersão dos sujeitos. Foucault assinala várias questões que serão incorporadas à Análise do Discurso, principalmente a necessidade de pensar as relações entre prática discursiva e práticas não-discursivas por meio da análise do entrelaçamento de séries discursivas e da interdiscursividade. Um conceito foucaultiano que será capital para a AD é o de acontecimento discursivo: o método arqueológico propõe a análise da irrupção histórica dos conjuntos de enunciados na descontinuidade da história. O que se pretende analisar é essa emergência de enunciados como acontecimentos que nem a língua nem o sentido podem esgotar inteiramente (Foucault, 1986, p.32). Foucault propõe buscar as regularidades para descrever jogos de relações entre enunciados, entre grupos de enunciados, entre acontecimentos, pois o enunciado, de um lado é um gesto; de outro ligase a uma memória, tem uma materialidade; é único mas está aberto à repetição e se liga ao passado e ao futuro. (1986, p.32) Apesar de as idéias da Arqueologia do Saber estarem presentes na obra inicial de Pêcheux18, as diferenças teóricas e ideológicas farão com que ele seja “recusado” por algum tempo. Serão os trabalhos de J.J. Courtine, no início dos anos 80, que levarão Foucault definitivamente para o grupo em torno de M. Pêcheux19. Em artigo no qual faz um balanço dessa construção da análise do discurso fundada por Michel Pêcheux, Courtine 20 analisa as 16

Essas propostas de Foucault foram criticadas pelos marxistas althusserianos e motivou a recusa inicial de Pêcheux em tomar os conceitos foucaultianos. Para os marxistas, a análise de Foucault é feita em termos de justaposição: ele justapõe elementos da infra-estrutura (processo econômico, trabalho industrial), que colocam em jogo elementos de classe (processos sociais), elementos da superestrutura jurídica (regras da jurisprudência), elementos da superestrutura ideológica (sistemas de normas, formas de comportamento). Como se hierarquizam esses diversos níveis para funcionarem na prática discursiva? Perguntavam os althusserianos. Evidentemente, Foucault não ficará indiferente a essas críticas, e sua obra posterior irá voltarse para a discussão dessa problemática apontada pelos althusserianos e a muitas outras. 17 Foucault, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de A Sampaio. São Paulo: Ed. Loyola, 1996. 18 E, explicitamente, Pêcheux irá referir-se ao empréstimo do conceito de “formação discursiva” em vários de seus textos. 19 Principalmente o trabalho desenvolvido em Courtine, J.J. Le discours communiste adreséé aux chrétiens. In: Langages, 20 COURTINE, J.J. O discurso intangível: marxismo e lingüística (1965-1975). Trad. 9rás. De Heloisa M. Rosário. In: Cadernos de Tradução 6. Porto Alegre: UFRGS, 1999.

9

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. mudanças epistemológicas e sociais ocorridas a partir dos anos 80, que levaram a AD à necessidade de profundas retificações. Para esse teórico, que foi um integrante do grupo de estudos de Michel Pêcheux, as idéias de Foucault continuam sendo fundamentais para os rumos da AD a ser feita atualmente. Segundo Courtine, as pesquisas devem devolver à discursividade sua espessura histórica e isso só é possível se elas descreverem a maneira como se entrecruzam historicamente regimes de práticas e séries de enunciados, rearticulando o lingüístico e o histórico na direção apontada por Michel Foucault.

4.3 O terceiro pilar: Mikahil Bakhtin Para Brait (2001)21, a obra de Bakhtin ainda se dá a conhecer no ocidente. Tendo sido produzida na Rússia nas décadas de 1930 a 1970, além de textos dessa obra ainda não terem sido traduzidos, aqueles que foram publicados no ocidente não seguiram a cronologia do seu pensamento. A essa problemática acrescenta-se, ainda, a forma como foi realizada a recepção da obra de Bakhtin em diferentes momentos. Nas décadas de 1960-1970, momento da primeira recepção de Bakhtin na Europa, as obras traduzidas incidem sobre problemas da literatura, razão pela qual ele vai ser uma referência fundamental para os estudiosos da teoria da literatura. Uma obra de grande interesse para os estudos lingüísticos que é Marxismo e filosofia da linguagem 22, datada de 1929 e traduzida no final da década de 60, na verdade terá realmente repercussão na década de 80, quando aparece como uma forma de incorporar aos estudos lingüísticos uma concepção de linguagem diferente da lingüística da imanência, na medida em que incluía a história e o sujeito23. Assim, Bakhtin, nesse primeiro momento de sua recepção e 21

Brait, B. O discurso sob o olhar de Bakhtin. In: Gregolin, M.R. (org.). Análise do discurso: as materialidades do sentido. São Carlos: Claraluz, 2001. 22 BAKHTIN,M. (VOLOCHINOV) (1929/1997) Marxismo e filosofia da linguagem Trad. M. Lahud e Yara F. Vieira. 8 ed. São Paulo, Hucitec. 23 Segundo Maldidier (1990), foi em 1968, em um artigo intitulado “Le mot, le dialogue, le roman”, que Julia Kristeva introduziu Bakhtin na França. Essa primeira recepção concerne essencialmente a literatura, o terreno da semiótica literária e das práticas significantes múltiplas. Os lingüistas puderam ler, no nº 12 de Langages (preparado por Roland Barthes, 1968) um artigo de Bakhtin chamado “ O enunciado no romance”. Nos anos 1980 começa um segundo período de descoberta de Bakhtin, marcada pela multiplicação das traduções e dos estudos e a generalização das referências em todos os campos, notadamente na lingüística. Um pandialogismo parece, então, se instalar, no qual as correntes as mais diversas se apropriam dele. Remeto, para aprofundamento dessa questão, à leitura que Jacqueline Authier propôs em DRLAV, 26 em 1982.

10

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. repercussão, nos anos sessenta e setenta, tem um impacto muito mais forte sobre os estudos literários do que sobre os estudos lingüísticos. Hoje, livros de Bakhtin como Problemas da poética de Dostoiévski e A obra de François Rabelais e a Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento, mesmo tendo a literatura como objeto principal, é tomado por lingüistas como fonte para a reflexão sobre gênero, polifonia, cronotopo, carnavalização, formas de incorporação do outro à linguagem, definição do "outro" bakhtiniano, vozes, etc.24 Segundo Brait (2001), Marxismo e filosofia da linguagem é a obra que chama a atenção dos lingüistas e que realmente representa um marco, uma mudança de paradigma. A partir da concepção de signo como arena de luta de classes – que recupera para os lingüistas a dimensão histórica, social e cultural da linguagem – nesse livro há capítulos sobre a sintaxe enunciativa das formas de citação, das formas de incorporação do outro, da alteridade constitutiva da linguagem, bem como os germens do conceito de gênero, aspecto que bem mais tarde chamará a atenção desses mesmos lingüistas. No interior do grupo de Michel Pêcheux, as discussões sobre as propostas de Bakhtin ocorreram no final dos anos 70, e ele foi visto, pela maioria dos integrantes, como um pensador que trazia uma grande contribuição aos estudos de análise do discurso. Michel Pêcheux, no entanto, não concordava com a crítica que Bakhtin faz a Saussure, por meio da idéia de “objetivismo-abstrato”. Para Pêcheux, Bakhtin tende a anular a dimensão própria da língua: opondo ao ‘sistema abstrato de formas lingüísticas’ o ‘fenômeno social da interação verbal, realizada através da enunciação e dos enunciadores’, ele conduz à fusão da lingüística em uma vasta semiologia (Maldidier, 1990). Pêcheux entendia que Saussure deveria ser considerado como o inaugurador da ciência da linguagem e, por isso, em torno das propostas saussureanas deveriam continuar a serem gestadas as grandes questões do formalismo e do sujeito, a possibilidade de pensar a singularidade do sujeito na língua, assim como a articulação entre a língua e o inconsciente. O ponto teórico fundamental, em torno do qual se assentam as críticas de Pêcheux a Bakhtin, é o modelo bakhtiniano da interindividualidade, que tem na sua base a idéia de interação sócio-comunicativa. Para 24

Se há um “descompasso” entre a produção bakhtiniana em russo e sua tradução na Europa dos anos 60, no Brasil esse descompasso será ainda mais marcante. A ditadura militar não permitiu que sua obra aqui circulasse antes da “abertura política” e ela só vai ser traduzida nos final dos setenta e início dos anos 80. Como na Europa, num primeiro momento, Bakhtin será referência para os estudos literários. A descoberta de Bakhtin pela lingüística brasileira ocorrerá a partir dos anos 90.

11

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. Pêcheux, a produção do sentido não pode ser pensada na esfera das relações interindividuais; do mesmo modo, ela não pode ser tomada em relações sociais pensadas como interação entre grupos humanos. Apesar das ressalvas de Pêcheux, a partir dos anos 80, as propostas bakhtinianas serão incorporadas pelo grupo. Essa incorporação virá através dos trabalhos de J. AuthierRevuz e trará para a AD a idéia de heterogeneidade do discurso, indicando uma via para a análise das relações entre o fio do discurso (intradiscurso) e o interdiscurso, na análise das não-coincidências do dizer. 4.4. Um atravessamento constitutivo: Lacan Além desses três pilares (Althusser, Foucault, Bakhtin) que, a seu tempo e de maneiras diversas contribuíram para o desenvolvimento da AD, desde o início, a obra de M. Pêcheux é atravessada constitutivamente pelas formulações da psicanálise, pela releitura que Lacan faz da obra de Freud. Encontramos, desde o livro de 1969, os conceitos de “formações imaginárias”, de “simbólico”, de “inconsciente”. A presença da psicanálise é especialmente visível no livro escrito por Pêcheux juntamente com F. Gadet (La langue introuvable)25, no qual há a referência fundamental a J.C. Milner e a seu livro O amor da língua.26 5. A Análise do Discurso no Brasil O que se entende, hoje, por “análise do discurso”, no Brasil, é bastante amplo. No que respeita aos trabalhos filiados à “AD francesa” – ou, como é preferível, “AD derivada de Michel Pêcheux”27 – eles vêm-se desenvolvendo desde o final dos anos 70. Eni Orlandi é uma referência obrigatória, responsável pela introdução dessa linha no Brasil, pela formação de inúmeros pesquisadores, pela divulgação de trabalhos filiados à tradição de Pêcheux. Evidentemente, os trabalhos brasileiros têm aproximações e distanciamentos em 25

GADET, F. e PÊCHEUX, M. La lengua de nunca acabar. México: Fondo de Cultura Económica, 1986. MILNER, J.C. O amor da língua. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987. 27 Chamar os trabalhos derivados do grupo em torno de Pêcheux de “AD francesa” é aplicar um rótulo que apaga a heterogeneidade dos estudos realizados na França entre os anos 60 e 80. Emprega-se, na expressão “AD francesa”, uma metonímia pois, na França, nessa época, havia outros pesquisadores que pensavam em analisar o discurso. Entre eles, pode-se citar Barthes, Todorov, Greimas, Kristeva e outros. Cada um pensou essa “análise do discurso” de maneira diferente. 26

12

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. relação àqueles produzidos pelo grupo de M. Pêcheux, pelo motivo – nada simples – de que as movimentações teóricas são determinadas pela História. O Brasil tem outra História e, por isso, outra Análise do Discurso Uma razão para essa diferença é temporal: trazida para o Brasil nos anos 80, quando na França a AD já superara muitos dos seus conceitos iniciais e já atravessara as “três épocas”, os trabalhos brasileiros têm aportes dos vários momentos da constituição da AD. Outra característica da Análise do Discurso brasileira é derivada da forma como ela, historicamente, se relacionou com a Lingüística brasileira: tendo crescido e germinado em um solo em que a Lingüística era dominada pelas tendências que Pêcheux chamou de “logicistas”, a AD brasileira criou um campo de resistências e de confrontos 28. A partir dos anos 90, com a superação do paradigma “logicista”, muitos estudos, dentro da Lingüística, tomaram objetos diferenciados, que passaram a ter em comum a denominação de “discurso” (o texto oral ou escrito, a conversação, a interação sociolingüística, etc.). Essa denominação comum fez que as abordagens do “discurso” se tornassem dominantes e quase tudo passou a ser rotulado de “análise do discurso”. A indicar o campo polêmico que sempre caracterizou a AD derivada de Pêcheux, essa mudança de paradigma, no entanto, não ajudou na compreensão nem da história nem da epistemologia dos trabalhos filiados a essa tradição. Pelo contrário, entre os “lingüistas” que afirmam fazer “análise do discurso”, acirrou-se a luta pelas demarcações territoriais. Enquanto isso, os “lingüistas” que afirmam não trabalhar com “análise do discurso” entendem-na como “moda passageira”. Essa hegemonia dos trabalhos de “análise do discurso” na Lingüística traz conseqüências muito interessantes às representações atuais sobre o campo dos estudos da linguagem que sempre se recobriu pela Lingüística. Uma delas é o fato de persistir a idéia de que “AD não é lingüística” num momento em que a maioria dos pesquisadores, afirma, ao mesmo tempo, seu pertencimento ao campo da Lingüística e rotula seus trabalhos de “análise do discurso”. E isso, surpreendentemente, convive com a idéia de que “AD é moda”. Esses discursos evidenciam, no mínimo, que a escrita da história da AD no Brasil é um fascinante campo de confrontos teórico-metodológicos. Um trabalho de investigação sobre a AD feita no Brasil, que se debruce sobre esse campo e tente enxergar a sua textura 28

A AD é Lingüística? Essa pergunta, no Brasil, não é uma tautologia. Ela deriva da história da Lingüística no Brasil, de sua institucionalização como disciplina. Ela sempre colocou em causa a legitimidade da Análise do Discurso, sua inserção no campo dos estudos da linguagem dominado pela idéia de “autonomia da Lingüística”. Tomando a autonomia como critério de cientificidade, essa pergunta indagou, sempre, as vizinhanças e as filiações da AD brasileira.

13

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. histórica, é um desafio permanente, que ainda está por ser feito. Por ora, é prudente fugir dos lugares comuns. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAKHTIN,M. (VOLOCHINOV) (1929/1997) Marxismo e filosofia da linguagem Trad. M. Lahud e Yara F. Vieira. 8 ed. São Paulo, Hucitec. BRAIT, B. O discurso sob o olhar de Bakhtin. In: Gregolin, M.R. (org.). Análise do discurso: as materialidades do sentido. São Carlos: Claraluz, 2001. CHEVALIER, J.C. La langue, linguistique et histoire. In: Faire de l’histoire. Paris: Galimard, t.3, 1974. COURTINE, J.J. Le discours politique. Le discours communiste adresséé aux chrétiens. In: Langages 62. Paris: Larousse, 1981. COURTINE, J.J. O discurso intangível: marxismo e lingüística (1965-1975). Trad. 14rás. De Heloisa M. Rosário. In: Cadernos de Tradução 6. Porto Alegre: UFRGS, 1999. DUBOIS, J. Lexicologia e análise de enunciado. Trad. bras.em Orlandi, E. (org). Gestos de Leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. FOUCAULT, M. Folie et déraison. Histoire de la folie à l’âge classique. Paris: Plon, 1961. Trad. bras. A História da Loucura. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. FOUCAULT, M. Naissance de la clinique. Une archéologie du regard medical. Paris: PUF, 1963. Trad. bras. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1980. FOUCAULT, M. Les mots et les choses. Une archéologie des sciences humaines. Paris: Gallimard, 1966. Trad. bras. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1995. FOUCAULT, M. L’Archéologie du Savoir. Paris: Gallimard, 1969. Trad. bras. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986. FOUCAULT, M. L’ordre du discours. Paris: Gallimard, 1971. Trad. bras. A ordem do discurso. São Paulo: Ed. Loyola, 1996. GADET, F. e PÊCHEUX, M. La langue introuvable. Paris: maspéro, 1981. Trad. esp. La lengua de nunca acabar. México: Fondo de Cultura Económica, 1986. GREGOLIN, M. R. O sentido e suas movências. In:___ (org). Análise do Discurso: entornos do sentido. São Paulo, Araraquara: Acadêmica/FCL-UNESP, 2001. MAINGUENEAU, D. Initiation aux méthodes de l’analyse du discours. Paris: Hachette, 1976. MALDIDIER, J. (Re)lire M. Pêcheux ajourd’hui. In: L’inquiétude du discours. Paris: Cendres, 1990. MALDIDIER, D. Elementos para uma história da AD na França. Em: Orlandi, E. (org.). Gestos de Leitura. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. MILNER, J.C. O amor da língua. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987. ORLANDI, E. A análise do discurso: algumas observações. Em: DELTA, vol. 2, nº 1, 1986. PÊCHEUX, M. AAD: três épocas. In: GADET, F. e HAK, F. (org.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de M. Pêcheux. Campinas: Pontes, 1990. PÊCHEUX, M. Y-a-t-il une voie pour la linguistique hors du logicisme et du sociologisme?. In: Èquivalences. Bruxelles, 1977, p. 133-146. Trad. bras. em Escritos, 3. Campinas: Labeurb/Nudecri, 1998. PÊCHEUX, M. Analyse Automatique du Discours. Paris: Dunod, 1969. 14

IN: FERNANDES, C.; SANTOS, J.B. (org.). Teorias lingüísticas: problemáticas contemporâneas. Uberlândia: UFU, 2003. PÊCHEUX, M. & FUCHS, C. Mises aux points et perspectives à propos de l’AAD. In: Langages 37. Paris: Larousse, março de 1975. PÊCHEUX, M. Sur la (dé-) construction des théories linguistiques. Em: DRLAV, 27, 1982, p. 1-24. Trad. bras. em: GUIMARÃES, E. (org). Línguas e instrumentos lingüísticos. Campinas: Pontes, 1999. PÊCHEUX, M. Sur les contextes épistemologiques de l’analyse de discours. In: Mots 9. Paris: Presses de la Fondation Nationale des Sciences Politiques, 1984. Trad. bras. Em Escritos 4. Campinas: Labeurbe/Nudecri, 1999. ROBIN, R. História e Lingüística. São Paulo: Cultrix, 1977.

15

View more...

Comments

Copyright ©2017 KUPDF Inc.