03.Geografia - Apostila Polícia Militar Do Paraná - Pmpr - Focus 2016

May 14, 2019 | Author: Kleber Augusto Do Nascimento | Category: Geography, Map, Time, Cartography, Homo Sapiens
Share Embed Donate


Short Description

APostila concurso pmpr...

Description

 APO S  APO  ST TILA  PRE REP P A RA  RA TÓRI RI A   A 

POLÍCIA  MILITAR  SOLDADO SOLD ADO E BOMBEIRO

WWW.FOCUSCONCURSOS.COM.BR

GEOGRAFIA PROFESSOR

Lauder Dalboo Graduado em Geografia pela Unverdade do Oese do Paraná – UNIOESTE, ampu de Frano Beltrão, om Pó-graduação em Enno de Geografia pela UNIVALE, Profeor há ma de 15 ano, atuando dede a  ére na do enno Fundamental, Médo, Pré-vesPré-vesbular e Conuro Públo, no Colégo e Curo Pre paratóro do Paraná.

SUMÁRIO

SUMÁRIO 1. ESPAÇO GEOGRÁFICO TERRITÓRIO E PAISAGEM ................................................................................................................07 Do Meo Natural ao Meo Téno-Centífio-Informaonal Téno-Centífio-Informaonal ...................................................................................................................................................07 Meo Téno .......................................................................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................................ ...................... 08 Meo Téno-Cen Téno-Centífio-Informaonal tífio-Informaonal ............................................................................................................................................................................................ ............................................................................................................................................................................................ 08 Coneio Importante da Geografia ..................................................................................................................................................................................................08 ..................................................................................................................................................................................................08 Cartografa: Temáta e Stemáta .................................................................................................................................................................................................. .................................................................................................................................................................................................. 09

2. COORDENADAS GEOGRÁFICAS.....................................................................................................................................................10 Coneto .........................................................................................................................................................................................................................................................1 .........................................................................................................................................................................................................................................................1 0

3. PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS ........................................................................................................................................................10 Projeção Clíndra ............................................................................................................................................................................ .................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 1 1 Projeção ôna ................................................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 1 1 Projeção plana ou azmutal ............................................................................................................................................................................................ ................................................................................................................................................................................................................... ....................... 12 Curva de nível .................................................................................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................................................................................................... ....................... 12 Eala .................................................................................................................................................................................................... ............................................................................................................................................................................................................................................................ ........................................................ 12

4. RELEVO DO BRASIL .............................................................................................................................................................................13 Etrutura geológa ........................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 13 Clafaçõe de relevo do Bral ................................................................................................................................................................................ ....................................................................................................................................................................................................... ....................... 13

5. CLIMATOLGIA.........................................................................................................................................................................................14 Tpo de Clma ...........................................................................................................................................................................................................................................1 ...........................................................................................................................................................................................................................................1 4 Clma do Bral.................................................................................................................................................................................. .......................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 14 Maa atmoféra ......................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................. ........................................................ 1 5 Clafação de Koppen – Geger ................................................................................................................................................................................. ....................................................................................................................................................................................................... ...................... 1 5 Bogeografa ......................................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................................. ........................................................ 1 5 Domíno Morfolmáto do Bral ............................................................................................................................................................................ .................................................................................................................................................................................................. ...................... 16 A faxa de tranção ........................................................................................................................................................................................................ .............................................................................................................................................................................................................................. ...................... 1 7

6. HIDROGRAFIA DO BRASIL .................................. ............................ ........................................................ ........................................................ ........................................................ ....................................... ........... 17 Oeano e Mare ............................................................................................................................................................................... ........................................................................................................................................................................................................................................ ......................................................... 19

7. DEMOGRAFIA ........................ .................................................... ........................................................ ........................................................ ........................................................ ......................................................... ................................................ ................... 20 Teora Demográfa ...............................................................................................................................................................................................................................20 ...............................................................................................................................................................................................................................20 Tranção Demográfa...................................................................................................................................................................................................... Demográfa ............................................................................................................................................................................................................................ ...................... 21 População do Bral ........................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 22

8. URBANIZAÇÃO NO MUNDO ............................................................................................................................................................24 Urbanzação bralera ............................................................................................................................................................................................................................24 Degualdade no Proeo de Urbanzação .................................................................................................................................................................................. .................................................................................................................................................................................. 25 Problema Urbano........................................................................................................................................................................... ................................................................................................................................................................................................................................... ........................................................ 26

9. MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS .....................................................................................................................................................27 O problema atua deorrente da mgraçõe nternaona .......................................................................................................................................... .......................................................................................................................................... 27 Bral – Mgraçõe Interna ............................................................................................................................................................................................ ................................................................................................................................................................................................................... ....................... 28

10. GEOGRAFIA AGRÁRIA .....................................................................................................................................................................29 Intenva ........................................................................................................................................................................................................................................................ ............................................................................................................................................................................................... ......................................................... 29 Extenva ....................................................................................................................................................................................................................................................... .............................................................................................................................................................................................. ......................................................... 29 Subtêna ................................................................................................................................................................................................................................................30 Comeral .....................................................................................................................................................................................................................................................30

11. OS SOLOS........................... ....................................................... ......................................................... ......................................................... ........................................................ ........................................................ .................................................... ........................ 30 Tpo de Solo ..............................................................................................................................................................................................................................................30 ..............................................................................................................................................................................................................................................30 Produto Detaque no Bral ......................................................................................................................................................................................... ............................................................................................................................................................................................................... ...................... 31 A Quesão Fundára no Bral .............................................................................................................................................................................................................32 .............................................................................................................................................................................................................32 Peuára Bralera .............................................................................................................................................................................................................. .................................................................................................................................................................................................................................... ...................... 32

12. GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO ECONOMICA ENTRE PAÍSES PAÍSES ......................................... ............................ ...........................................3 ...............344 13. BLOCOS ECONÔMICOS .....................................................................................................................................................................35 Zona de Preferêna Tarfára........................................................................................................................................................................................ ............................................................................................................................................................................................................... ....................... 35 Zona de Lvre Coméro .......................................................................................................................................................................................................................... .......................................................................................................................................................................................................................... 35 Unão Aduanera ........................................................................................................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................................................................................................ 35 Merado Comum ........................................................................................................................................................................................................................................ ........................................................................................................................................................................................................................................ 35

03

SUMÁRIO

Unão Eonôma e Monetára.............................................................................................................................................................................................................. 35

13. O COMÉRCIO MUNDIAL E A EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO MUNDIAL ...................................................................36 Orgem ............................................................................................................................................................................................................................................................ 36 Prmera Fae: Capialmo Comeral ............................................................................................................................................................................................36 Segunda Fae: Capialmo Indusral...............................................................................................................................................................................................36 Terera Fae: Capialmo Fnanero ............................................................................................................................................................................................ 36

14. AS DIVISÕES INTERNACIONAIS DO TRABALHO .................................................................................................................37 Prmera DIT ................................................................................................................................................................................................................................................ 37 Segunda DIT ................................................................................................................................................................................................................................................. 37 Terera DIT ou “Nova DIT” ...................................................................................................................................................................................................................37

15. PAÍS DESENVOLVIDO, SUBDESENVOLVIDO, CAPITALISMO, SOCIALISMO.............................................................38 Soalmo ..................................................................................................................................................................................................................................................... 38 O fim do Soalmo ................................................................................................................................................................................................................................... 38 Paíe Deenvolvdo................................................................................................................................................................................................................................ 38 Paíe Subdeenvolvdo......................................................................................................................................................................................................................... 38

16. FONTES DE ENERGIA .......................................................................................................................................................................39 Coneio ....................................................................................................................................................................................................................................................... 39 Matrz energéta bralera.................................................................................................................................................................................................................. 39

17. OS GRANDES PROBLEMAS AMBIENTAIS ................................................................................................................................41 18. GEOGRAFIA DO PARANÁ ................................................................................................................................................................44 Loalzação....................................................................................................................................................................................................................................................44 Relevo..............................................................................................................................................................................................................................................................44 Hdrografia.................................................................................................................................................................................................................................................... 45 Clma ............................................................................................................................................................................................................................................................... 45 Vegetação....................................................................................................................................................................................................................................................... 46 Apeco Humano .................................................................................................................................................................................................................................... 47 Apeco Eonômo ............................................................................................................................................................................................................................... 47

04

CAPÍTULO 01 - Espaço Geográfico Terrióro e Pasagem

1. ESPAÇO GEOGRÁFICO TERRITÓRIO E PAISAGEM

de vvêna onde a peoa mprmem ua mara, ua relaçõe, proporonando nova anále à medda que a ompreenão do mundo modfia-e atravé da téna al empregada. É mportante alentarmo que o epaço e reontró onantemente, omo exemplo podemo iar, a revialzação de uma dade, a onrução de uma rodova onde ante não exa, a onrução de uma ponte, a agrultura onde hava mata. Oberve que na paagem que oniu ee epaço geográfio, eá mpregnada apeco ultura do ndvíduo que al onvvem.

Do Meo Natural ao Meo TénoCentífio-Informaonal

Um do prnpa objeto de eudo da Geografia é o epaço geográfio. Po o memo, e oniu na prnpal onte de normaçõe dea êna geográfia. Podem haver derente abordagen e até memo oneio de epaço geográfio, no entanto, de orma geral, entende-e que, epaço geográfio, é o loal onde oorrem a relaçõe do homem, om a natureza, é que ee epaço va endo onruído ao longo do tempo pela relação da oedade, endo norporado a téna deenvolvda pela oedade ao longo do tempo, que vão provoando alteraçõe, tranormaçõe nee epaço. Ao eudar ee epaço, eamo, também obervando uma relação da téna deenvolvda pelo homem, e que oram uada para tranormar o epaço onde o oupado pelo ndvíduo. Por o, a anále do epaço geográfio de um lugar, no ajuda a ompreender a relaçõe oa, políta e eonôma al deenvolvda ao longo do tempo. É mportante alentar que o derente níve de deenvolvmento, nfluena dretamente na tranormação do epaço geográfio. Vejamo o que algun autore erevem obre o epaço geográfio: Há autore, omo Rard Hartorne, que deendem que o epaço geográfio é apena uma onrução ntelecual, não exndo de ato na oedade. Sera, nee ao, uma onepção da orma omo nó enxergamo a realdade no entdo de apreender omo aontee a epaalzação da oedade e tudo o que por ela o ontruído. Já Mlton Santo afirma que o epaço geográfio é um onjunto de ema de objeto e açõe, o é, o ien e elemento artfia e a açõe humana que manejam ta nrumento no entdo de onrur e tranormar o meo, eja ele natural ou oal. Já para o geógrao humana, o oneio de epaço geográfio eara atrelado à queão ubjetva, ultural e ndvdual. Nea onepção, o epaço é o loal de morada do ere humano e, ma do que o, é o meo

O ere humano eão empre tranormando o loal onde onvvem. Ea tranormação depende de muto atore. Entre ee atore, eão a téna aplada na tranormação dee ambente. Ea téna vão evolundo om o paar do tempo, ao memo tempo que vão endo empregada nova alteraçõe. O que a Cêna geográfia proura azer, é ompreender a manera omo ea tranormaçõe oorreram ao longo do tempo. Mlton Santo, om erteza um do maore eudoo do epaço geográfio e ua relaçõe om a oedade, proura dvdr ea evolução em trê momento, ou meo. Meo Natural, Mao Téno, Meo Téno-entífio- normaonal. Vamo onheer um pouo ada um dele, tendo omo bae o eudo de Mlton Santo. 05

Meo Natural O meo natural era o eágo nal do proeo de produção da atvdade humana. Nee longo período que marou o nío e a ormação da prmera vlzaçõe, bem omo o avanço de toda a oedade pré-ndura ou não nduralzada, a práta oa eram nteramente dependente do meo natural. Nee entdo, a ntererêna do er humano obre o ambente era de pouo mpaco, de orma que era ma a natureza que ondonava a práta eonôma, e não o ontráro. Dea manera, a apadade de reompoção da natureza era maor, haja va que a apadade do homem de oupar e promover alteraçõe em um amplo epaço era relatvamente lmiada. Ma o não mpedu que práta mportante anda hoje utlzada oem deenvolvda. Am, vára téna agríola e também peuára oram elaborada, muia dela anda va omo orma de preervar o olo, ta omo o terraeamento. A téna da peuára também paaram pelo memo deáro.

GEOGRAFIA

Meo Téno

06

Com o paar do tempo, a téna e o objeto téno oram endo ma bem deenvolvdo à medda que o onhemento humano expanda-e, o que propou a ormação da bae que onoldaram a aenão do meo téno, ujo maro prnpal envolveu a dua prmera revoluçõe ndusra. Com o, o epaço tranormou-e em um epaço meanzado, dotado de uma gama ada vez ma ampla de ben artfia e meanzado, em vez de mplemente ultura. Dea orma, o er humano ganhou uma renovada apadade de enrentar e, em algun ao, de manter erto ontrole obre a le da natureza, om uma maor pobldade de tranormá-la em larga eala. Tal proeo o operaonalzado pelo emprego de ntrumento, ee, egundo Mlton Santo, “já não ão prolongamento do eu orpo, ma que repreentam prolongamento do terrióro, verdadera prótee”¹.

Meo Téno-Centífio-Informaonal Atualmente, dz-e que eamo vvenando não ma um meo puramente meanzado ou tena, ma um meo também marado pela maor preença da deoberta entífia e da tenologa da normação, o meo téno-entífio-normaonal. Ele repreenta, obretudo, o período que e maneou de manera ma aabada a partr do ano 1970 omo onequêna 1 - SANTOS, M. A natureza do epaço: téna e tempo, razão e emoção. São  Paulo: Ed. Huie, 1996. p.158.

da Terera Revolução Indusral, também onheda omo Revolução Téno-Centífia-Inormaonal. O prnpal maro dee momento é a unão entre êna e téna pautada ob o aupío do merado.  Não que já não houvee uma aproxmação entre a produçõe entífia e a evoluçõe da téna, ma omente agora tal nerção enontra-e em um entdo de omplementardade, de extenão de uma em relação à outra. Nee ínterm, todo objeto é téno e normaonal ao memo tempo, po arrega em  uma ampla erutura de normaçõe. Tal avanço permiu a onoldação do proeo de globalzação, ma bem ompreenddo omo uma mundalzação da duão de téna e objeto, parâmetro que pou a normação omo a prnpal energa motora de eu unonamento. Tal ator proporona alteraçõe não ó do epaço geográfio em , ma da orma omo o perebemo e ldamo om ele.

Por fim, e não meno mportante, é mportante ompreender que ta tranormaçõe não e maneam pelo mundo de manera homogênea, o é, não e onoldaram em toda a parte do planeta de manera gualiára. Alá, o deenvolvmento da derente téna em um número rerio de loaldade permiu o avanço da degualdade e a ntenfiação da relaçõe de dependêna políta e eonôma entre o derente epaço. Vmo am, que a ada meo, eudado ama, momento em que o ere humano e relaonavam om o epaço geográfio, o memo va endo tranormado e va adqurndo aracería daquele momento, prnpalmente pelo uo da téna. Io no ajuda a ompreender o grande mpaco no meo ambente tão eudado até hoje, ou de outra orma, o grande problema ambenta da atualdade. Compreender ea evolução do meo deenvolvdo por Mlton Santo, no ajuda a entender a realdade atual e agr de manera que poamo reolver ou pelo meno mnmzar o problema atua.

Coneio Importante da Geografia Terrióro Terrióro para a Geografia e oniu em um epaço geográfio onde e oberva uma relação de poder, ou eja, é ruto de uma dputa entre derente orça.

CAPÍTULO 01 - Espaço Geográfico Terrióro e Pasagem

A onepção ma omum de terrióro (na êna geográfia) é a de uma dvão admnratva. Atravé de relaçõe de poder, ão rada rontera entre paíe, regõe, eado, munípo, barro e até memo área de nfluêna de um determnado grupo. Para um do maore autore da eola de geografia alemã Fredr Ratzel, o terrióro repreenta uma porção do epaço terrere dentfiada pela poe, endo uma área de domíno de uma omundade ou Eado. Um exemplo que podemo iar, é o terrióro da Palena, dputado entre Judeu e Árabe. Correponde um epaço ío, om ua aracería natura, oa e políta, onde e oberva uma dputa entre derente grupo pelo domíno dee epaço. (terrióro) Dentro dea vão, o oneio de terrióro abrange ma que o Eado-Nação. Qualquer epaço defindo e delmiado por e a partr de relaçõe de poder e aracerza omo terrióro. Uma abordagem geopolíta, por exemplo, permie afirmar que um onulado ou uma embaxada em derente paíe, eja onderado omo parte de um terrióro de outra nação. Por fim podemo afirmar que, o terrióro não e retrnge omente à rontera entre derente paíe, endo aracerzado pela dea de poe, domíno e poder, orrepondendo ao epaço geográfio oalzado, aproprado para o eu habiante, ndependentemente da extenão terrioral.

bolo e ore uada para que haja uma melhor ompreenão do tema expoo e eu epaço geográfio. Além de ndar o enômeno e onde ele oorre a artografia temáta também pode atravé de ímbolo ndar a qualdade, a quantdade e a dnâma dee enômeno. Para o geralmente ão uada lnha, área, ore e ponto dependendo do aunto tratado. Oberve o exemplo abaxo:

Paagem Coumamo afirmar que paagem, é tudo aqulo que noo olho veem. A paagem podem ter derente gnfiado, dependendo da manera de omo a obervamo. Dede uma mple obervação até uma anále ma prounda, a paagem pouem derente gnfiado, e podem, repreentar oa derente para quem a oberva, tendo omo reerêna a mema paagem. Temo derente tpo de paagem, vejamo: a. Paagem natural: Correponde a um epaço onde não houve qualquer ntervenção do ere humano. Há o predomíno de apeco da natureza. Exemplo: Florea ntaca. b. Paagem modfiada:  Correponde a ação de açadore e de oletore que, memo não exerendo atvdade paor ou agríola, em eu onante deloamento, pode modfiar a paagem de modo rreverível, atravé do ogo, derrubada de árvore et. . Paagen organzada:  Correpondem aquela que oreu uma grande alteração pela oedade, ma de orma organzada, não meno mpacante, ma e oberva uma erta organzação no epaço onde ea paagem e enontra.

Cartografia: Temáta e Ssemáta Cartografia Temáta: É uada na elaboração de mapa temáto e artograma. São onvençõe, ím-

07

Já a Cartografia Ssemáta, e propõe a repreentar apeco da natureza, ou eja, apeco ío, omo: relevo, hdrografia, lma e vegetação de um determnado loal. Para o, além de e utlzar de téna moderna que exge nterpretação, omo magem de atélie, enoramento et. Exemplo de mapa elaborado na artografia emáta:

GEOGRAFIA

Orentação

no entdo Norte ou Sul, podendo varar de 0 a 90 º Grau Norte ou Sul.

No entdo geográfio, orentação é o memo que rumo, dreção. Portanto, orentar-e gnfia determnar a noa dreção, ou a poção de um lugar em relação ao ponto ardea. A orma de orentação evoluíram muio ao longo do tempo. No nío, o prmero humano e utlzavam de oa da natureza omo, uma florea, uma montanha, um ro, oa am. Com o paar do tempo, e um onhemento maor obre o unvero, o homen paaram a utlzar-e do aro, omo o ol, erela, lua. Ma tarde houve o deenvolvmento da búola, aredta-e que tenha do deenvolvdo pelo nee, e ma tarde o GPS, que e utlza de normaçõe va atélie. A orentação é determnada pelo ponto CARDEAIS, COLATERAIS E SUBCOLATERAIS. No entanto, vamo ante a denomnaçõe utlzada no ponto ardea:

N= Norte, Setentronal, Boreal; S= Sul, Merdonal, Ausral; E= Lese, Orente(al), Naente; W(O)= Oese, Odental, Poente. Podemo am, entender a ROSA DOS VENTOS.

A regõe ntertropa, que vão de 0 a 23º27’, podem er denomnada de baxa latiude; a regõe temperada, que vão de 23º27’ a 66º33’, de méda latiude e a polare, que vão de 66º33’ a 9 0º, regõe de alta latiude. LONGITUDE: Dâna reerente ao merdano de Greenw, no entdo Lee, Oee, podendo varar de 0 a 180º Grau. Sempre a Longiude erão Lee ou Oee.

08

Da Fou: Oberve om muia atenção a ndação do mapa ou arta. A dreção Norte, ou a ndação do SOL, ma atenção para a ndação do Sol da manhã, ou tarde.

Da Fou:  Atenção para a orentaçõe, latiude (N ou S), Longiude (E ou W).

2. COORDENADAS GEOGRÁFICAS

3. PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS

Coneio

São erramenta, téna, utlzada pela Cartografia, que tem por objetvo repreentar a Terra, toda ou parte dela. A elaboração de mapa é muio antga, e urgu da needade do homen de repreentar adente geográfio, normalmente, na nova terra deoberta. A orma ma adequada de repreentar a Terra, é o glo-

É o endereço de qualquer ponto da uperíe da terra, em grau, mnuto e egundo, ornedo pela LATITUDES e LONGITUDES. LATITUDE: Dâna reerente a lnha do Equador

CAPÍTULO 03 - Projeçõe Cartográfia

bo terrere, no entanto, váro nonvenente omo, o uo, a dfiuldade de manueo, bem omo a mpobldade de vualzar toda a terra, levou a elaboração de mapa. Surge am a dfiuldade de repreentar um epaço que é urvo em um plano. Para o, utlza-e a projeçõe artográfia. O tpo de propredade geométra que aracerzam a projeçõe artográfia, em ua relaçõe entre a eera (Terra) e um plano (mapa), ão: a. Conforme  – o ângulo ão mantdo dênto (na eera e no plano) e a área ão deormada. b. Equvalente – a área apreentam-e dênta e o ângulo deormado. . Afiláta – a área e o ângulo apreentam-e deormado

Mercator

Peter

Projeção Clíndra

09

Projeção ôna

Ea repreentação é obtda om a projeção da uperíe terrere, om o paralelo e o merdano, obre um lndro em que o mapa erá deenhado. Ao er deenrolado, apreentará obre uma uperíe plana toda a normaçõe que para ele oram tranerda. Muio utlzada para a repreentação do mapa – múnd, além de er utlzada para mapa marítmo e de regõe de baxa latiude, onde a deormaçõe ão mínma. Temo do mapa amoo elaborado nea projeção líndra: Um one magnáro em ontato om a eera é a bae para a elaboração do mapa. O merdano ormam uma rede de lnha reta e o paralelo ão urvo. Utlzada para repreentar regõe de méda latiude.

GEOGRAFIA

Projeção plana ou azmutal

Prnpa Caracerísa:

10

A projeção azmutal é uada, em geral, para repreentar a regõe polare. O paralelo ão írulo onêntro e o merdano ão reto, onvergndo para o polo.

 Da Fou: O mapa no que rem dzer muia oa, é omo e ele “eondeem” texto por traz da figura, deenho repreentado. É mportante que  e prese muia atenção na hora de analar e nterpretar um mapa. A legenda  ão um bom amnho para nar o trabalho de anále e nterpretação.

Curva de nível São lnha que unem ponto de gual altiude num mapa, ão amada de oípa. O prnpal objetvo da urva de nível, é dentfiar tpo de relevo, e am ontrbur para uma oupação ma adequada do epaço geográfio pelo homem.

- A urva de nível tendem a er quae que paralela entre . - Todo o ponto de uma urva de nível e enontram na mema elevação. - Cada urva de nível ea-e empre obre  mema. - A urva de nível nuna e ruzam, podendo e toar em alto d’água ou depenhadero. - Em regra geral, a urva de nível ruzam o uro d’água em orma de “V”, om o vérte apontando para a naente.

Eala É uma relação matemáta entre a dmenõe do elemento no deenho, (epaço gráfio) e no epaço real.

Tipos de Escalas: GRÁFICA É a repreentação gráfia da eala numéra ob a orma de uma lnha graduada, na qual a relação entre a dâna rea e a repreentada no mapa, arta ou outro doumento artográfio é dada por um egmento de reta em que uma undade medda na reta orreponde a uma determnada medda real.

NUMÉRICA É a eala de um doumento artográfio (Mapa, Carta ou Planta) expreo por uma ração ou proporção, a qual orrelaona a undade de dâna do doumento à dâna medda na mema undade no terreno.

CAPÍTULO 04 - Relevo

 Exemplo: 1:100.000 - Lê-e 1 por 100.000. Sgnfia que 1m no doumento equvale a 100.000 m no terreno, ou eja, 1000m ou 1Km. Quando e onhee a eala numéra pode-e alular a dâna rea utlzando-e a expreõe:

D=d x N

N=D / d

d=D / N

 D=Dsâna real d=Dsâna no doumento E=Eala

Interpretação de Escala: Comparando o mapa A e B, obervamo que há maor rqueza de detalhe no mapa B e ua eala é dua veze maor do que no mapa A.

b. Degaada; . Baxa; d. Eável – auêna de teconmo reente. A erutura geológa bralera é oniuída por eudo ralno , que abrangem era de 36% do terrióro naonal. O terreno ralno podem er dvddo entre o que e ormaram no período Arqueozóo ( 32%) e o que e ormaram na era proterozóa ( 4%). O terreno edmentare oupam 64% do total do paí, ão de dvera dade, dede a paleozóa ate a enozóa e apreentam dua rqueza prnpa: o arvão e o petróleo. Prnpa baa edmentare: Era Paleozóa: Paranaa e San- Franana Era Meozóa: Maranhão-Pauí (Meo Norte ) e Reônavo Baano. Era Cenozóa: Amazôna, Pantanera e Liorânea ( Coera ).

Clafiaçõe de relevo do Bral Aroldo de Azevedo

11

Oberve, então, que quanto menor or o denomnador da eala, maor ela erá e ma detalhe ela no dará.

 Da Fou: Atenção para a nterpretação de eala.

4. RELEVO DO BRASIL Esrutura geológa Chamam-e erutura geológa de um loal a roa que o ompõem, que e dpõem em derente amada, que apreentam derente tpo e dade e que e orgnaram de derente proeo geológo. O Bral, pou omo aracería geral da erutura geológa, er: a. Antga;

É a ma antga e utlzada , dvdndo o Bral em do planalto e trê planíe. O prnpal riéro para ea lafiação o a altmetra ,pela qual oram onderado planalto a uperíe om altiude méda uperore a 200 metro e planíe a uperíe om altiude meda nerore a 200 metro.

GEOGRAFIA

Azz Ab’ Saber

não exr derença, é neeáro dngur o que é tempo e o que é lma. Tempo: ondção atmoéra momentânea, pode mudar rapdamente. Exemplo: Sol- uva, quente – ro. Et. Clma: é um onjunto de enômeno meteorológo (elemento), omo a uva, a temperatura, a preão atmoéra, a umdade e o vento. Ou, um ambente atmoéro oniuído pela ére de eado da atmoera em ua ueão habiual. Elemento ío também ontrbuem om o lma: atore.

Elemento do Clma - Temperatura - Preão atmoéra - Umdade do ar - Vento - Maa de ar

Fatore do Clma

Ea lafiação baeou-e no proeo de eroão e edmentação para derenar planalto de planíe . Toda a uperíe onde predomnam agente da eroão ão onderado planalto , e a uperíe onde oorre a depoção de edmento ão lafiada de planíe.

- Altiude -Latiude -Corrente marítma -Relevo -Contnentaldade/marimdade -Vegetação - Polução.

Tpo de Clma

 Jurandyr Ro 12

Clma do Bral Ea lafiação é a ma reente , baeada no levantamento realzado pelo projeto Radambral , que otograou ada parte do Bral atravé de radar. Dvdu o Bral em 28 undade de relevo.

5. CLIMATOLGIA Uma da queõe ma mportante da Geografia, é aber derenar lma e tempo. Por ma que pareça

O Bral tem relatva dverdade lmáta. Io e deve à dmenão do terrióro, à extenão de ua axa liorânea, à varação de altiude e, prnpalmente, à preença de derente maa de ar que modfiam a ondçõe de temperatura e umdade da regõe em que atuam. A poção geográfia da maor parte de ua terra, em uma zona de baxa latiude, determna o domíno de lma ma quente. Cera de 92% do terrióro eá tuado na zona ntertropal uja méda anua de temperatura eão ama de 20ºC.

CAPÍTULO 05 - Clmatologa

Maa atmoféra Maa de ar

lero. O verõe ão uvoo e o nverno ão eo. A temperatura nee lma é alta e não vara muio durante o ano.

São porçõe de ar, que pouem aracería de aordo om eu loal de orgem. Podem er: Quente ou Fra, Sea ou Úmda. No Bral atuam no maa de ar, omo podemo ver no mapa:

03. Clma Semárdo É o lma da zona ma ea do nteror do nordete, regão onheda omo Sertão Nordeno. Caracerza-e pela baxa umdade e temperatura elevada. 04. Clma Tropal Liorâneo (Atlânto) Ee lma obre todo o lioral do paí, dede do Ro Grande do Norte até o Paraná. Caracerza-e pela temperatura elevada e pela alta umdade, devdo ao alto índe de uva. No lioral do nordee oorre uva prnpalmente no nverno. 05. Clma Tropal de Altiude É o lma da área om altiude uperor a 800 metro na regão udee. O verõe ão quente e uvoo e o nverno ro e eo. 06. Clma Subtropal É o lma da regõe loalzada ao ul do Tropo de Caprórno. A quantdade de uva não vara muio durante o ano, ma a temperatura mudam baante.

Não exe uma úna lafiação para o lma. A lafiação ma utlzada para o tpo de lma do Bral é baeada no geógrao Arthur Strahler, que ondera a rulação da maa de ar omo o ator ma mportante para a aracerzação lmáta. A lafiação de Arthur Strahler, adaptada ao Bral, reonhee no regõe lmáta, definda pela atuação de maa de ar equatoral, tropal e polar. Baamente, pode-e dzer que o Bral tem e domíno lmáto: lma equatoral, tropal, tropal em-árdo, liorâneo, ubtropal e tropal de altiude.

Clafiação de Koppen – Geger 13

Bogeografia

01. Clma Equatoral Eá loalzado na proxmdade da Lnha do Equador. Chove regularmente durante o ano todo, e em grande quantdade; é baante úmdo e a temperatura vara pouo durante o ano, om méda de 26ºC. 02. Clma Tropal É o lma que predomna no terrióro bra-

A drbução do boma terrere e eu tpo de auna e flora eão lgado dretamente om o lma. Dee modo a ada tpo lmáto orreponde um boma, marado por uma obertura vegetal. O relevo (alttude), a água ontnenta ou oeâna e o olo também nfluenam a drbução do boma na uperíe da Terra.

GEOGRAFIA

poua ou de uma úna epée.

Domíno Morfolmáto do Bral

Em relação à ormaçõe vegeta, podemo lafia-la quanto a: 14

UMIDADE: Hgrófila – adaptada a grande umdade; Tropófila – adaptada a ambente alternado, um período úmdo e outro eo; Xerófila – adaptada à ambente eo.

FOLHA: Latfolada – olha larga; Aulfolada – olha em orma de agulha ou pontaguda;

SAZONALIDADE: Perenfóla - florea empre verde, não perdendo a olha em nenhuma eação. Deídua - olha adua, ou eja, planta que perdem ua olha em erta époa do ano (prnpalmente no nverno).

TAMANHO (PORTE): Floresal – Árvore alta, mata eada; Arbusva – Árvore epara, predomíno de arbuo;

Herbáea – Formaçõe de gramínea, ampo; OUTROS TERMOS IMPORTANTES: Conífera  – árvore om aparelho reprodutor em orma de one (pnhero). Orófila – planta adaptada à grande altiude.  Vegetação Heterogênea - vegetação oniuída de grande varedade de epée  Vegetação Homogênea - vegetação oni uída de

01. Domíno amazôno É ormado por terra baxa: depreõe, planíe aluva e planalto, oberto pela extena florea latolada equatoral Amazôna. É banhado pela Baa Amazôna, que e deaa pelo grande potenal hdrelétro, ma não aproveiado. Apreenta grave problema de degradação ambental, repreentado pela quemada e dematamento. 02. Domíno do errado Correponde à área do Bral Central e apreenta exteno apadõe e apada, om domíno do lma tropal em úmdo e vegetação do errado. A vegetação do errado é ormada por arbuo om trono e galho retordo, reoberto por aa groa. O olo ão pobre e ádo, ma om a utlzação do método da alagem, oloando-e aláro no olo, eão endo aproveiado pelo etor agríola, tranormando-e na nova rontera da agrultura, repreentada pela expanão do ultvo da oja, ejão, arroz e outro produto. Nee domíno eão a área dperora da Baa do Paraná, do Paragua, do Toantn, do Madera e outro ro deaáve. 03. Domíno do mare de morro Ee domíno aompanha a axa liorânea do Bral dede o Nordee até o Sul do Paí. Caracerza-e pelo relevo om topografia em “mea laranja”, mamelonare ou mare de morro, ormado pela ntena ação erova na erutura ralna da Serra do Mar, da Mantquera e do Epnhaço. Apreenta predomnantemente lma tropal quente e úmdo, aracerzado pela florea latolada tropal, que, na enoa da Serra do Mar, é onheda omo Mata Atlânta. Ea paagem oreu grande degradação em onequêna da orte oupação

CAPÍTULO 06 - Hdrografia do Bral

humana. Além do dematamento, ee domíno ore nteno proeo erovo (relevo adentado e lma úmdo), om delzamento requente e ormação de voçoroa. 04. Domíno da aatnga Correponde à regão da depreão ertaneja nordetna, om lma quente e emárdo e típa vegetação de aatnga ormada por acáea, bromeláea e árvore. Deaa-e o extratvmo vegetal de fibra, omo o aroá, o al e a paçava. A baa do São Frano atravea o domíno da aatnga e tem deaque pelo aprovetamento hdrelétro e pelo projeto de rrgação no eu vale, onde a produção de ruta (melão, manga, goaba, uva) tem apreentado expanão. A tradonal oupação da aatnga é a peuára extenva de orte, om baxo aproveiamento. No domíno da aatnga, apareem o nelberg, ou morro redua, reultante do proeo de pedplanação em lma emárdo.

No Centro-oese - O Pantanal

6. HIDROGRAFIA DO BRASIL O Bral é onderado o paí ma ro do mundo em água doe, o ro ão volumoo e em ua maora, perene ou eja nuna eam. Baa hdrográfia é defindo omo uma regão obre a terra que az toda a drenagem da água de prepiaçõe para um ponto fixo, empre do ponto ma alto para o ponto ma baxo.

05. Domíno da arauára É o domíno que oupa o planalto da Baa do Ro Paraná, onde o lma ubtropal eá aoado à méda altiude, entre800 e 1300 metro. Nee domíno apareem área om mana de terra roxa, omo no Paraná. A florea de arauára também é onheda omo Mata do Pnha; é homogênea, aulolada e tem grande aproveiamento de madera e erva-mate. A ntena oupação agrára (aé, oja) dee domíno é a reponável pela devaação dea florea. 06. Domíno da pradara Domíno repreentado pelo Pampa, ou Campanha Gaúa, onde o relevo é baxo, om uave ondulaçõe (oxlha) e oberto pela vegetação herbáea da pradara (ampo). A oupação eonôma dee domíno tem-e eetuado pela peuára extenva de orte, om gado tpo europeu, obtendo alto rendmento e pela rzultura rrgada.

A faxa de tranção Na paagem de um domíno para outro apareem área onde é poível pereber a exêna de dua ou ma paagen derente que ompõem um epaço derenado e muio repreentatvo. São a axa de tranção e dela e pode deaar:

No Nordese O mangueza na zona oera; O agree entre a zona da mata e o ertão; A mata do oa no meo-norte entre a aatnga e a florea Amazôna.

No Sul Zona de tranção da pradara, iuado entre o domíno da Arauára e da pradara.

15

O ro  omo parte ntegrante de uma baa hdrográfia é ompoo em ua maora por água doe e pode er lafiado de dvera orma, afluente é a denomnação dada para o ro menore que deaguam em ro prnpa o loal exato onde o ro deagua é amado de foz, a oz de um ro pode er lafiada da egunte manera: FOZ TIPO ESTUÁRIO: É aquela que apreenta um úno anal para deaguar e não exe nenhum obáulo nee proeo.

GEOGRAFIA

ao do dela do Parnaíba, iuado entre o maranhão e o Pauí. O ro Amazona é onderado o prnpal ro bralero ee pou oz ma (em delta e euáro). A hdrografia do ro no Bral predomnam-e em ro de planalto ou eja em relevo om uperíe ma elevada.

FOZ DO TIPO DELTA: Geralmente ão váro ana entre pequena lha que ão ormada de orma natural ou por edmento tranportado pela agua do ro.

O Bral pou ete baa hdrográfia no entanto quatro dela e deaam por ua extenão e pela mportâna do eu ro prnpa :a Amazôna ,a platna ,a do São Frano e a do Toantn-Araguaa.

16

FOZ DO TIPO MISTA OU COMPLEXA: É aquela que apreenta o do tpo de oz anteror no memo loal ou eja oz tpo delta e oz euáro, omo por exemplo o ro Amazona, no Bral.

BACIA AMAZÔNICA: É a maor baa hdrográfia

No Bral o tpo de oz predomnante no ro ão a do tpo euáro, om alguma poua exeçõe que é o

do mundo também é muio ra em volume de água dete modo reulta em um grande potenal de produção de energa elétra ea baa abrange váro eado bralero (Amazona, Rorama, Rondôna, Mato Groo, Pará e Amapá), além de paíe vznho (Peru, Colômba, Equador, Venezuela, Guana e Bolíva) BACIA PLATINA: Se derena da dema por e oniur de ma trê baa eundara: Baa Paraná: É onderada a egunda a maor ba-

CAPÍTULO 06 - Hidrografia do Brasil

a hdroelétra do paí, eu ro prnpal é o Paraná nele eão loalzada vára hdroelétra dentre ela a una de Itapu uma da maore do mundo que ó é uperada pela una de Trê Garganta. BACIA PARAGUAI: É a maor baa eenalmente de planíe, eu prnpal ro é o Paragua drena o Pantanal mato-groene. BACIA URUGUAI:  Se aracerza por ter eu ro prnpal (Urugua) endo menor da baa Platna. Pou ua naente na Serra Geral, atravé da onfluêna do Ro Canoa e Pelota. É um ro de planalto, om grande potenal hdráulo, ma no entanto, pouo explorado. BACIA DO TOCANTINS-ARAGUAIA:  Eá loalzada no entro norte do Bral e por ee motvo é onderada a baa nteramente bralera, em eu ro prnpal, o Toantn, o onruída a hdrelétra de Tuuruí que abaee grande parte da regão norte, e também o projeto Grande Carajá, de exploração de mnéro no Pará. BACIA SÃO FRANCISCO:  Pou ua naente em Mna Gera, na Serra da Canara. É um Ro de Planalto, portanto pou grande potenal hdráulo. Seu ro prnpal o São Frano, é de extrema mportâna para a população que redem em eu peruro po é navegável entre Mna Gera e Baha. Em eu uro, vem e deenvolvendo o Projeto de Tranpoção, Que tem omo objetvo levar água à regõe do emárdo nordeno.

Oeano e Mare

Já o mare ão porçõe menore de água algada e podem er lafiado em: a. Aberto ou Cosero  – Pouem ampla lgação om o oeano. Exemplo: Mar do Japão, Mar do Carbe, Mar da Chna et. b. Interore ou Medierrâneo –Pouem lgação om o oeano, atravé de ereio ou ana. Exemplo: Mar Medierrâneo, Mar Vermelho, Mar Negro et. . Feado ou Iolado  –Não pouem lgação vível om o oeano. Exemplo: Mar de Aral, Mar Cápo, Mar morto. O mare não pouem uma homogenedade quanto à ua ompoção ía no epaço geográfio.

Mar Terrioral Correpondem a porção de água que e enontram próxmo ao lioral de um paí. Ea água, ou a porçõe dea água eão dvdda em: água nterore, mar terrioral, zona ontígua, zona eonôma exluva, plataorma ontnental, et., e ão regulado pela Convenção da Naçõe Unda obre o Dreio do Mar (CNUDM), elebrada em 1982 em Montego Bay, Jamaa, omo reultado da Terera Conerêna da Naçõe Unda obre o Dreio do Mar (Nova York, 1973-1982) e que oniu o ma reente eorço de odfiação do dreio nternaonal que regula o oeano. Vamo onheer um pouo obre ada uma dea porçõe.

Água Interore: A área do onhemento que e propõe a eudar o oeano e mare é denomnado de oeanografia. Tanto o mare omo o oeano pouem uma grande mportâna no boera. Em uma onepção ambental, o oeano e mare, ontrbu na ompoção e equlíbro lmáto, uma vez que o oeano abrgam ere (fitoplancon) que ão reponáve pela produção de grande parte do oxgêno do planeta e também por reter alor em período maore que o ontnente, denomnado de marimdade. Em uma vão ma humana e eonôma, o oeano e mare exereram e anda exerem grande mportâna no que e reere à eratéga mliare e omera, a exportação, a pea, o turmo e muio outro. Por o que, paíe que não dpõe de um lioral permaneem dependente de outra naçõe para eoar ua produção denada à exportação e reeber a mportaçõe, o az parte da realdade de paíe omo Aeganão, Áura, Suíça, Paragua e Bolíva.

Coneio: Oeano orrepondem a grande porçõe de água algada que e enontram dpera obre grande parte da uperíe terrere. Temo, Oeano Atlânto, Paífio e Índo. Algun autore areentam anda o oeano Glaar Árto e Antárto.

É todo onjunto de porçõe líquda enontrada no nteror de um arqupélago, omo mar nteror, lago, ro, água ubterrânea et.

Mar terrioral: Correponde a uma axa de água oera que alança 12 mlha marítma (22 qulómetro) a partr do lioral de um Eado que ão onderada parte do terrióro oberano daquele Eado. A largura do mar terrtoral é ontada a partr da lnha de bae, o é, a lnha de baxa-mar ao longo da oa, tal omo ndada na arta marítma de grande eala reonheda ofialmente pelo Eado oero. Nea porção de água, o paí exere todo o dreio eenddo a ua porção ontnental e a ua água nterore. Qualquer embaração, deve ter autorzação para navegar nea porção, bem omo o reonhemento da Marnha Merante do paí que pou poe nee epaço.

Zona ontígua: Nea área a, CNUDM ( Conelho da Naçõe Unda obre o Dreio do Mar), permie que o Eado oero, omprovando a needade, mantenha ob eu ontrole uma área de até 12 mlha marítma, adonalmente à 12 mlha do mar terrioral, para o propóio de eviar ou reprmr a nraçõe à ua le e regulamento

17

GEOGRAFIA

aduanero, fia, de mgração, aniáro ou de outra natureza no eu terrióro ou mar terrioral.

Zona Eonôma Exluva (ZEE): A ZEE é uma axa de água que omeça no lmie exteror do mar terrioral de um Eado oero e termna a uma dâna de 200 mlha marítma (370 km) do lioral (exeto e o lmie exteror or ma próxmo de outro Eado) na qual o Eado oero dpõe de dreio epea obre a exploração e uo de reuro marnho. Nea Zona Eonôma Exluva o paí detém o dreio de:

da egurança da navegação (ondçõe de navegabldade do navo, qualfiação da trpulação et.), b. exgr do apiãe do navo que preem aêna a peoa em pergo. . mpedr o tranporte de eravo, d. mpedr a pratara, e. mpedr o tráfio de droga.

7. DEMOGRAFIA

a. Dreio de oberana para fin de exploração e aproveiamento, onervação e geão do reuro natura, vvo ou não vvo da água obrejaente ao leio do mar, do leio do mar e eu ubolo, e no que e reere a outra atvdade om va à exploração e aproveiamento da zona para fin eonómo, omo a produção de energa a partr da água, da orrente e do vento; b. Jurdção, de onormdade om a dpoçõe pertnente da preente onvenção, no que e reere a: I. oloação e utlzação de lha artfia, nalaçõe e erutura; II. nvegação entfia marnha; III. proteção e preervação do meo marnho. 18

Plataforma Contnental Jurída (legal): Segundo a CNUDM, “a plataorma ontnental de um Eado oero ompreende o leio e o ubolo da área ubmarna que e eendem além do eu mar terrioral, em toda a extenão do prolongamento natural do eu terrióro terrere, até ao bordo exteror da margem ontnental, ou até uma dâna de 200 mlha marítma da lnha de bae a partr da qua e mede a largura do mar terrioral, no ao em que o bordo exteror da margem ontnental não atnja ea dâna.”

Alto Mar ou Água Internaona: Correponde a água que eão além da Zona Eonôma Exluva. De manera geral, alto-mar é o on junto da zona marítma que não e enontram ob  jurdção de nenhum Eado. No termo do dreio do mar, qualquer revndação de oberana obre ta zona, da parte de um Eado, é legítma. No alto-mar ou Água Internaona, vgora o prnípo da “lberdade do alto-mar”: ão lvre a navegação, o obrevoo, a pea, a pequa entífia, a nalação de abo e a onrução de lha artfia. Outro prnípo de dreio do mar aplável ao alto-mar é o do uo paífio. A úna jurdção aplável a um navo em alto-mar é a do Eado uja bandera a embaração arvora. Ta Eado têm a obrgação, quanto ao eu navo de bandera, em alto-mar, preva pela Convenção da Naçõe Unda obre o Dreio do Mar, de: a. tomar a medda neeára à preervação

A demografia é a área do onhemento que e preoupa em eudar o omportamento, a tranormaçõe e a dnâma geral da população, utlzando-e prnpalmente de elemento eatío e pequa qualiatva. Ee ramo do aber em muio e aproxma à Geografia da População, que, da mema orma, também e preoupa om a dnâma populaona, enatzando a quetõe oa relaonada ao epaço geográfio. A população é definda omo o número de peoa que habia um determnado terrióro ou regão. Dea orma, o eu lo de remento, eu nível médo de renda, ua drbução, entre outro atore, ão de undamental mportâna para a ompreenão do unonamento do dvero apeco do epaço oal. Um do elemento demográfio ma eudado pela Geografia da População e pela Demografia é o índe de remento populaonal. O remento aelerado ou deaelerado da populaçõe é algo onantemente debatdo e teorzado por epeala e teóro dea área do aber. Prear om detalhe o unonamento dee ator é mportante para o planejamento de políta públa e açõe oa. O prnpal órgão bralero de pequa obre a população é o Iniuto Bralero de Geografia e Eatía, o IBGE. Ee organmo realza a ada dez ano o Ceno Demográfio, uma mportante e abrangente orma de quantfiar eatamente o ma dvero dado e normaçõe, envolvendo dede a renda e a aúde da população até a ua preerêna relgoa.

Teora Demográfia São eudo elaborado om o objetvo de onheer

CAPÍTULO 07 - Demografia

a tranormaçõe que oorreram e oorrem na populaçõe, bem omo, a utlzação do reuro natura dponíve para a obrevvêna da epée humana. A ormulação dea teora, e deve a needade de e entender a dnâma obre a população mundal ou loal, e hoje ervem de bae para o eudo e a ompreenão do tema, memo que alguma dea teora,  já oram onatada omo ultrapaada ou norreta. Vamo onheer um pouo obre ada uma dela.

Teora Malthuana ou Malthuanmo:  Formulada por, Thoma Robert Malthu (1766-1834), eonoma lberal e horador nglê, elaborou ao final do éulo XVIII uma teora populaonal que apontava para o deequlíbro exente entre o remento demográfio e a dponbldade de reuro na Terra. Em eu lvro Enao obre o prnípo da população, ele afirmava ategoramente que o planeta, em pouo tempo, não era apaz de atender ao número de habiante exente. De aordo om a Teora Malthuana, a populaçõe aeleravam empre o eu rimo de remento, que egua a lnha de uma progreão geométra (1, 2, 4, 8, 16, 32, 64, 128, 256, …), enquanto a dponbldade de reuro e de almento aumentara onorme uma progreão ariméta (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, …), endo menor, portanto. Malthu preva um uturo atarófio para a população, po para ao memo não havera almento para atender a needade da reente população. Como olução, Malthu apontava para o ontrole moral da população. Em vrtude de ua filação relgoa, ele era ontra a adoção de qualquer tpo de método ontraeptvo, dzendo que o aa ó deveram prorar ao houvee ondçõe para uentar eu filho. Além do, Malthu também dza que o trabalhadore ma pobre deveram apena reeber o mínmo para o eu uento, po arediava que a melhora na ondçõe oa elevara anda ma o número de namento. Podemo onatar que Malthu errou em ubemar o avanço tenológo no proeo de produção, que fizeram om que a oerta de reuro e almento e amplae muio ama do prevo. Apear que a teora o elaborada om bae na perpecva da époa. Oberva-e atualmente que a tendêna é que a oedade ma deenvolvda gerem meno filho, ao ontráro do que o eonoma nglê magnava.

Teora Neomalthuana ou Pemsa: Com o fima da Segunda Guerra Mundal (1939-1945), oorreu o que muio autore amam de “exploão demográfia”, por que o prnpa paíe deenvolvdo do mundo tveram um aumento rápdo e repentno de ua população. Da mema orma, no ano egunte, muio paíe ubdeenvolvdo (nlundo o Bral) paaram pelo memo proeo, obretudo porque nee paíe, om hóro de alta nataldade e mortaldade, o número de óbio o reduzdo e a expecatva de vda, elevada, prnpalmente pela melhora na ond-

çõe medo-aniára. Com ee grande remento da população a teora de Malthu ganharam um novo eo entre muio penadore e governante. Para o Neomalthuano, a populaçõe, obretudo a de baxa renda, deveram ter o eu índe de nataldade ontrolado. Para o, a duão do método ontraeptvo tornou-e undamental. Em algun paíe, omo Chna e Índa, governo adotaram medda de eerlzação em maa obre peoa pobre, além de drbuírem antonepona gratuiamente e promover ampanha de onentzação. Dundem-e, até o da atua, muia ampanha ou magen publiára om o modelo deal de amíla ormado pelo pa e do filho apena.

Teora Reformsa, Otmsa ou Marxsa Muia ríta oram eia a teora Malthuana. Malthu, em vára oaõe o auado de demnar o dea apiala, ao afirmar que a méra, a pobreza não ó eram neeára, omo ervram para promover o ontrole de nataldade para a époa. A Teora Reorma, urge em um momento de ríta ao ema vgente na époa, e pou bae Soala, que também urgu omo uma opção ao Capialmo renante nee período. O oala utópo do éulo XIX, Perre-Joeph Proudhon, afirmava: “Há omente um homem exedente na Terra: Malthu”. E nea mema lnha eguam muio teóro que arediavam que a degualdade na relação entre reuro natura, almento e o remento populaonal não eava no número de habiante, ma na drbução de renda. Em geral, muia dea dea aproxmavam-e do dea deenddo por Karl Marx, endo então relaonada om o que e amou de Teora Marxa ou Reorma da população. Por fim, para ea onepção, não é o “ontrole moral” da população o neeáro para ombater a oorrêna da ome e da méra, ma a adoção de políta oa de ombate à pobreza, om a aplação de le trabalhta que aegurem a melhora na drbução da renda do trabalhador.

Tranção Demográfia A tranção demográfia, é uma onepção que afirma que todo o paíe paam por derente eágo em eu remento populaonal. Ee remento, bem omo a tranção demográfia, tem a haver dretamente om a taxa de nataldade e taxa de mortaldade. Afirma também que todo o paíe paam por ee eágo edo ou tarde. A Tranção demográfia afirma que no prmero etágo, o remento vegetatvo é baxo, po a taxa de nataldade ão alta, ma a taxa de mortaldade também ão alta. Já no egundo eágo, oorre um grande remento demográfio, po a taxa de nataldade ão alta e oorre uma queda aentuada da taxa de mortaldade, oorrendo am um grande remento da população ou também amado remento vegetatvo.

19

GEOGRAFIA

No terero eágo, oorre uma redução do remento populaonal, po a taxa de nataldade também omeçam a ar. Portanto temo uma baxa taxa de nataldade e baxa taxa de mortaldade. Já é poível, na atualdade, obervarmo um quarto eágo na tranção demográfia, onde a taxa de nataldade ontnuam baxa, e oorre uma elevação da taxa de mortaldade, pelo envelhemento da população. Oberva-e ea iuação  já em algun paíe europeu omo a França, Itála et. No ao do Bral, eamo paando do egundo eágo para o terero eágo da tranção demográfia. É poível magnar que daqu a alguma déada, povelmente remo atngr o quarto eágo. É mportante alentar que não há, período eáto de tranção de um eágo para outro, depende da aracería oa e eonôma de ada paí. Por o que, ao entendermo o proeo de tranção demográfia, no ajuda a refletr obre o envelhemento da população e onequentemente no permie uma anále obre a prevdêna oal do paíe. Por o, vamo onheer um pouo obre a população bralera no apiulo a egur.

População do Bral

20

Segundo o dado do Ceno Demográfio de 2010, realzado pelo Iniuto Bralero de Geografia e Eatíta (IBGE), a população total do Bral era de aproxmadamente 190.755.799 habiante. Em 2015, ee número  já é uperor a 200.000.000 de habiante. Ee elevado ontngente populaonal oloa o paí entre o ma populoo do mundo. O Bral oupa hoje o qunto lugar dentre o ma populoo, endo uperado omente pela Chna (1,3 blhão), Índa (1,1 blhão), Eado Undo (314 mlhõe) e Indonéa (229 mlhõe). A drbução da população bralera é rregular, o e deve a atore hóro e eonômo lgado a oupação do Bral e a ua poção eonôma hóra voltada ao merado externo. Perebemo am, que a maor onentração populaonal enontra-e repetvamente no Sudee, Nordee, Sul, Centro-Oee e Norte. O entro-Oee e Norte do paí, vem reebendo no últmo ano grande ontngente populaonal, em ae do grande número de projeto de deenvolvmento eonômo, omo a onrução de hdrelétra, rodova, errova et. Ma, anda omparada om o Sudee, Nordee e Sul, a dendade demográfia dea regão e do Centro-Oee é baante baxa.

Vejamo o mapa abaxo:

É mportante reorçarmo a dea que a drbução da população eá relaonada a manera de omo o Bral teve ua evolução hóra e eonôma, ea evolução e reflete na manera de omo a população e drbu e no ajuda a entender, qua a área que ma vem atrando ontngente populaona na atualdade. Vamo tratar um pouo obre o remento da população bralera. No últmo ano, apear de ter e eablzado a população bralera teve um erto remento, e va, de orma ma lenta, anda reer, ema-e que até o ano de 2025 o Bral terá quae 250 mlhõe de habiante, povelmente melhor drbuída do que podemo obervar no mapa ama. Para podermo alar de remento populaonal é preo aber um oneio: o de remento vegetatvo. Cremento vegetatvo: é a derença entre a taxa de nataldade e a taxa de mortaldade. Ee oneio, no permie entender e uma população eá em ae de remento, de eablzação ou já eá em uma ae de derémo de ua população. Vamo obervar o mapa abaxo:

É mportante lembrar, ante de ma nada, que a mgração ontrbuu para o remento da população, ma não o e não é o ator prnpal dee remento. O noo maor remento populaonal teve nío a partr de 1930, quando nou-e no Bral o proeo de nduralzação e urbanzação que trouxe muia

CAPÍTULO 07 - Demografia

mudança que ajudaram a nfluenar no noo remento. Até então, o Bral era um paí agráro, om população predomnantemente vvendo no ampo. Já no ano 50, o lado urbano do Bral omeçou a reer. Muia peoa omeçaram a dexar o ampo para trabalhar na dade, prnpalmente na regõe udee, onde a nduralzação era muio atva, e na regão entro-oee, om a onrução de Braíla, que atrau muio trabalhadore. A urbanzação melhorou muio a vda do bralero. Na dade hava uma melhor ondção de vda (hgene e aúde, água tratada, ervço de vanação, de aneamento báo, omo onequêna a taxa de mortaldade dmnuu baante. Com a queda na taxa de mortaldade, houve um grande remento da população, já que a taxa de nataldade ontnuaram alta. A nova ondçõe de vda na dade e a revolução no ampo da medna, bem omo o melhor aeo da peoa a novo medamento, provoaram um alto remento vegetatvo da população. O ano 60 oram marado por uma revolução no oume, não ó por aua da pílula, que dmnuu muto a taxa de nataldade, ma também outro atore omo a vda na dade e a entrada da mulher no merado de trabalho ajudaram muio a reduzr ee índe de remento. Na atualdade, a amíla não ão ma tão numeroa, prnpalmente na zona urbana. O ontrole da nataldade de orma epontânea, eá e tornando hábio até memo na amada ma pobre. Sem ontar que na déada egunte, a ueva re eonôma, também ontrbuíram para que a amíla repenaem o número de filho que queram ter. A melhora na ondçõe oa e eonôma não ão homogênea, e não melhoraram a ondçõe de vda de toda a peoa. É poível ver no Bral uma grande degualdade oal, não entre a regõe, ma também entre a peoa dentro de uma mema regão. Podemo obervar o, pela expecatva de vda do ndvíduo. Há muia derença entre a expecatva de vda do ula e do nordeno. O dado afirmam que no ul, a peoa vvem ma do que no nordee. A mortaldade nantl também é alta no nordee,  juamente por aua da preára aêna méda, prnpalmente om a mulhere grávda, e a própra ondçõe de méra que vve grande parte do povo nordeno. Ma vamo onheer um pouo ma obre o ndadore oa e eonômo.

Indadore Soa e Eonômo O ndadore oa e eonômo, ão meo utlzado para lafiar o paíe omo endo: Ro (deenvolvdo), Em Deenvolvmento (eonoma emergente) ou Pobre (ubdeenvolvdo). Tendo o por bae, organzaçõe nternaona avalam o paíe egundo algun riéro: Expecatva de vda - É a méda de ano de vda de uma peoa em determnado paí. Ela depende de vá-

ro atore, entre ele podemo iar: almentação, renda, eduação, aúde, aneamento báo, qualdade de vda em geral. Quanto melhore orem ee elemento, maor erá a expecatva de vda. Oberve o gráfio a egur.

• Taxa de mortaldade - Correponde ao número de peoa que vem a óbio durante o ano. • Taxa de mortaldade nfantl  - Correponde ao número de rança que morrem ante de ompletar 1 ano. Segundo a ONU, quanto maor a mortaldade nantl, pore o ndadore ooeonômo. • Taxa de analfabetmo - Correponde ao perentual de peoa que não abem ler e nem erever. • Renda Naonal Bruta (RNB) per apia, baeada na pardade de poder de ompra do habiante. • Saúde - Reere-e à qualdade da aúde da população, bem omo o aeo que a mema tem a aúde de qualdade. • Almentação  - Reere-e à almentação mínma que uma peoa neeia, era de 2.500 alora, e e ea almentação é balaneada. É mportante iar, que nem empre e avala a quantdade, que também é mportante em dúvda, ma ama de tudo a qualdade da almentação. • Condçõe médo-aniára  – Repreenta o aeo que a peoa tema aneamento báo. • Qualdade de vda e aeo ao onumo - Eá relaonado ao número de arro, de omputadore, televore, elulare, aeo à nternet entre outro. Váro dee ien, omo aúde, eduação e renda, erão bae para a anále do IDH. Ee índe é utlzado pela ONU, para lafiar o paíe dentro de um rankng que é dvulgado em período omo orma de amar a atenção do governante obre a needade de e tomar provdêna obre o maore problema que atngem a população. O IDH é um ndador que vara de 0 a 1.0. Quanto ma próxmo de 1.0, melhore ão a ondçõe do ien iado ama. Quanto ma próxmo de 0, pore erão ee ien e onequentemente a ondçõe de vda da população analada erá por. Vejamo o gráfio abaxo a evolução do IDH bralero de 1980 a 2012, para que poamo ter ma dea de omo ele evoluu.

21

GEOGRAFIA

22

O índe 1 não o alançado por nenhum paí do mundo, po tal índe ra gnfiar que determnado paí apreenta uma realdade quae que pereia, por exemplo, uma elevada renda per apia, expecatva de vda de 90 ano e am por dante. Também é bom realtar que não exe nenhum paí do mundo om índe 0, po e o oorree era o memo que apreentar, por exemplo, taxa de analabetmo de 100% e todo o outro ndadore em níve deatroo. Na atualdade o Bral, pou um IDH ama de 0.800, o que repreenta um IDH alto, por ma que o não gnfia que a ondçõe rea do paí ejam repreentada omo endo boa. Por o, que o IDH, é riado por algun eonoma, po o memo afirmam que ele apena traz dado para po trabalha om méda, e não ão dado rea da verdadera ondção que vve determnado povo.

8. URBANIZAÇÃO NO MUNDO

A urbanzação pode er entenda omo o proeo de aaamento da aracería rura de um lugar ou regão, para aracería urbana. Normalmente oorre atravé do deenvolvmento tenológo. Dentro da demografia o termo gnfia a redrbução da populaçõe da zona rura para aentamento urbano, ma também pode degnar a ação de dotar uma área om nraerutura e equpamento urbano. Urbanzação, também pode er entendda omo o

onjunto do trabalho neeáro para dotar uma área de nraerutura, omo água, egoto, gá, eletrdade e/ ou ervço urbano omo tranporte, eduação, aúde e et. É eudada por vára êna, omo a oologa, a geografia e a antropologa, e a dplna que prouram entender, regular, deenhar e planejar o proeo de urbanzação ão o urbanmo, o planejamento urbano, o planejamento da paagem, o deenho urbano, a geografia, entre outra. O proeo de nduralzação do éulo XIX provoou um rápdo remento da dade, na maora da veze ea grande aglomeraçõe de habiaçõe levaram a péma ondçõe om problema de abatemento, zona nalubre e dfiuldade de trânio. O aumento do tráego e a nalação de ndúra provoaram e provoam am uma ontamnação reente do meo. O proeo de urbanzação deu lugar à orgem de grande dade omo por exemplo, na regão do Ruhr, na Alemanha, onde a dade e enontram ontígua em epaço de eparação. Não havendo am, uma eparação entre a dade e o ampo. Muio autore entendem urbanzação omo endo o aumento proporonal da população urbana em relação à população rural, ó oorrendo urbanzação quando o remento da população urbana é uperor ao remento da população rural. Ma nem empre o homem habiou em dade, o prmero habiante eram nômade, portanto não tnham redêna fixa e vvam da aça, pea e oleta, poerormente dexaram ea ondção para e tornarem produtore. A partr de então o homem o e aglomerando em entro urbano e deenvolvendo atvdade eonôma. Sendo am, o proeo de urbanzação tem dua ae marante, a prmera oorreu om a Revolução Indural no fim do éulo XVIII, ee aontemento provoou uma enorme mgração, peoa que habiavam área rura aíram rumo à dade, ma o aonteeu omente no paíe envolvdo na revolução e não em eala planetára. A egunda aonteeu apó a II Guerra Mundal, ma ea não o motvada pela nduralzação, houve um êxodo rural em maa deenadeado pelo aíno urbano, melhore ondçõe de vda, oportundade de eudo e trabalho, e pela meanzação do ampo. Ee proeo não uedeu multaneamente no mundo, haja va que o paíe nduralzado já havam atraveado ee período, no ao do paíe em deenvolvmento e de nduralzação tarda, o remento urbano aontee atualmente de orma aelerada e deordenada. A alta de planejamento urbano tem avoredo a proleração de grave problema, ta omo a avelzação, alta de nraerutura, volêna, polução de toda a modaldade, deemprego e muio outro.

Urbanzação bralera O proeo de urbanzação no Bral teve nío no éulo XX, a partr do proeo de nduralzação, que

CAPÍTULO 08 - Urbanzação no Mundo

unonou omo um do prnpa atore para o deloamento da população da área rural em dreção a área urbana. Ee deloamento, também amado de êxodo rural, provoou a mudança de um modelo agráro-exportador para um modelo urbano-ndural. Atualmente, ma de 80% da população bralera vve em área urbana, o que equvale ao níve de urbanzação do paíe deenvolvdo. Até 1950 o Bral era um paí de população, predomnantemente, rural. A prnpa atvdade eonôma eavam aoada à exportação de produto agríola, dentre ele o aé. A partr do nío do proeo ndural, em 1930, omeçou a e rar no paí ondçõe epeífia para o aumento do êxodo rural. Além da nduralzação, também eeve aoado a ee deloamento ampo-dade, do outro atore, omo a onentração undára e a meanzação do ampo. Em 1940, apena 31% da população bralera vva em dade. Fo a partr de 1950 que o proeo de urbanzação e ntenfiou, po om a nduralzação promovda por Getúlo Varga e Juelno Kubiek houve a ormação de um merado nterno ntegrado que atrau mlhare de peoa para o Sudee do paí, regão que pouía a maor nraerutura e, onequentemente, a que onentrava o maor número de ndúra.

A partr de 1970, ma da metade do bralero já e enontrava em área urbana, uja oerta de emprego e de ervço, omo aúde, eduação e tranporte, eram maore. Em 60 ano, a população rural aumentou era de 12%, enquanto que a população urbana paou de 13 mlhõe de habiante para 138 mlhõe, um aumento de ma de 1.000%.

Degualdade no Proeo de Urbanzação O proeo de urbanzação no Bral oorreu de orma derenada, prnpalmente pela derença regona e dfiuldade de nerção de alguma regõe na eonoma naonal. Ea dfiuldade eá atrelada ao meo de tranporte prnpalmente, que om o tempo oram evolundo, permindo am uma maor ntegração entre a derente parte do Bral. Vamo analar um pouo obre a urbanzação de ada regão bralera, onderando a tabela abaxo. A regão Sudee, por onentrar a maor parte da ndúra do paí, o a que reebeu grande fluxo mgratóro vndo da área rural, prnpalmente da regão nordee. Ao analarmo a tabela abaxo, obervamo que o Sudee é a regão que apreenta a maore taxa de urbanzação do últmo 70 ano. A partr de 1960, om 57%, o a prmera regão a regrar uma uperordade de habiante vvendo na área urbana em relação à população rural. Na regão Centro-Oee, o proeo de urbanzação teve omo prnpal ator a onrução de Braíla, em 1960, que atrau mlhare de trabalhadore, a maor parte dele vndo da regõe Norte e Nordee. Dede o final da déada de 1960 e nío da déada de 1970, o Centro-Oee tornou-e a egunda regão ma urbanzada do paí.

Taxa de Urbanzação da Regõe Bralera (IBGE) Regão

1940

1950

1960

1970

Bral

31,24

36,16

44,67

55,92

Norte

27,75

31,49

37,38

45,13

Nordee

23,42

26,4

33,89

41,81

Sudee

39,42

47,55

57

72,68

Sul

27,73

29,5

37,1

44,27

23

GEOGRAFIA

Centro Oete

21,52

24,38

34,22

48,04

REGIÃO

1980

1990

2000

2007

Bral

67,59

75,59

81,23

83,48

Norte

51,65

59,05

69,83

76,43

Nordee

50,46

60,65

69,04

71,76

Sudee

82,81

88,02

90,52

92,03

Sul

62,41

74,12

80,94

82,9

Centro Oete

67,79

81,28

86,73

86,81

REGIÃO

2010

Bral

84,36

Norte

73,53

Nordee

73,13

Sudee

92,95

Sul

84,93

A urbanzação, rápda e reente do Bral, levou a um deordenado proeo de remento urbano o que por 88,8 ua vez rá trazer uma ére de onequêna, e em ua maor parte negatva. A alta de planejamento urbano A urbanzação na regão Sul o lenta até a déada e de uma políta eonôma meno onentradora rá de 1970, em razão de ua aracería eonôma de predomíno da propredade amlar e da polultura, ontrbur para a oorrêna de número problema, e que algun remo dar ênae a egur. po um número reduzdo de trabalhadore rura aaFavelzação – Oupaçõe rregulare na prnpa bava mgrando para a área urbana. apia bralera, omo Ro de Janero e São Paulo e A regão Nordee é a que apreenta hoje a menor tanta outra, ão ruto do grande fluxo mgratóro em taxa de urbanzação no Bral. Ea raa urbanzação dreção à área de maor oerta de emprego do paí. A eá apoada no ato de que dea regão partram vára alta de uma políta habiaonal aabou ontrbundo orrente mgratóra para o reante do paí e, além dpara a oupação rregular e onequentemente, o auo, o pequeno deenvolvmento eonômo da dade nordena não era apaz de atrar a ua própra popu- mento aelerado da avela no Bral.  Volêna Urbana – Memo om o remento nlação rural. Até a déada de 60 a Regão Norte era a egunda dural do paí e om a grande oerta de emprego na ma urbanzada do paí, porém a onentração da eo- dade do udee, não hava oportundade de emprenoma do paí no Sudee e o fluxo de mgrante dea go o baante para o grande fluxo populaonal que hapara outra regõe, ez om que o remento relatvo va e deloado em um urto epaço de tempo. Por ea razão, o número de deempregado também era grande, da população urbana regonal. o que paou a gerar um aumento do roubo, urto, e Oberve o mapa: dema tpo de volêna relaonada à área urbana. Polução – O grande número de ndúra, automóve e de habiante va mpacar o aumento da emõe de gae poluente, am omo om a ontamnação do lençó reáto e ro do prnpa entro urbano. Enente – A mpermeablzação do olo pelo aaltamento e edfiaçõe, aoado ao dematamento e ao lxo ndural e redenal, azem om que o problema da enente eja algo omum na grande dade bralera. Engarrafamento – A grande rota de veíulo, e a alta de um planejamento urbano, levaram a ormação de grande ongeonamento o que leva a perda de tempo e produtvdade omo derente orma de volêna no trânio. Podemo deaar também, outro problema, e jam ele ambenta, omo o lxo, ejam ele oa e Centro Oete

24

Problema Urbano

CAPÍTULO 09 - Migrações Internacionais

eonômo, omo a alta de morada, o deemprego, a volêna et. Todo ee problema eão dretamente lgado ao proeo de urbanzação, ou a orma de omo ele oorre, que no ao do Bral, omo vmo, oorreu de orma rregular.

9. MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS O ere humano empre e deloaram no epaço geográfio. Seja para a bua de eu uento, durante o período do nomadmo, eja poerormente quando o meo de tranporte evoluíram permindo am a mobldade humana de orma ma ál e rápda. Quando e trata de mov¬mento populaona que envolvem do paíe derente, ele ão ama¬do de mgraçõe nternaona ou mgraçõe externa. Nee ao, uma população, ao ar de eu paí de orgem, é denomnada emgrante e, ao entrar no novo paí, é amada de mgrante.

que egam e, ee, vvenam a dfiuldade típa de adaptação ao novo ambente. Podemo obervar o ao atual da Europa, que tem reebdo muio mgrante da Áa e da Ára, que buam na Europa uma ondção ma eável e uma perpecva de vda melhor. No entanto orem om a peregução de grupo Xenóobo nee paíe. Somente o tempo e a tolerâna ão apaze de rar ondçõe para o aparemento de uma nova ultura regonal, ruto da nfluêna mú¬tua que atalmente oorrerão.

EMIGRAÇÃO ⇒ IMIGRAÇÃO Na atualdade, a mgraçõe nter¬naona ão o reflexo da degualda¬de entre paíe ro e paíe pobre, entre paíe eáve e paíe náve, ormando um onjunto de aua o¬a, eonôma, políta e béla. Vamo obervar o mapa abaxo e analar o prnpa fluxo mgratóro no mundo.

A preão demográfia, unda ao alto nível de méra de alguma po¬pulaçõe, além da nabldade políta, torna neviável a emgração em algun paíe ubdeenvolvdo do mundo. O emgrante aumem o ro de ar de eu paíe de or¬gem por não terem o que perder. O atratvo que exere o mundo deenvolvdo é um grande eímulo para o empreendmento da emgra¬ção, apear de toda a dfiuldade que eram o proeo de nalação e adaptação de qualquer população em um novo paí, memo que haja emelhança ultura e de língua entre ele. Cada lugar om um mínmo de hóra é arregado de ultura e tra¬dçõe, o que o torna uma entdade epeal e partular no epaço geo¬gráfio. Por o, a regõe do mundo marada pela entrada de mgrante orem, de um lado, o mpaco da ar¬ga ultural do

http://andergeo2012.blogpot.om.br/ 

É por onta do reeo dea nfluêna ultura e pelo medo da perda de dentdade que muio paí¬e do mundo têm tratado o tema da mgração nternaonal om preon-eio. Não onegundo onter onflio e um aumento da nabldade provoado pela egregação raal. Se, de um lado, algun paíe prearam e até hoje pream de mão-de-obra para uprr etore para o qua não há dponíve demo¬gráfio loa, e a olução era e¬mular a entrada de erangero, por outro, predomna anda o medo do enquamento ultura (núleo populaona eado ulturalmente). É mportante realtar que o enquamen¬to ó oorrem quando ontngente gnfiatvo de mgrante e on¬entram num determnado lugar, or¬mando núleo omo vlarejo e bar¬ro. Aí, em unção da aldade do olamento, o mgrante pouo e ntegram ao novo paí, mantendo a língua de orgem e ua tradçõe relatvamente ntaca, e om o aumentando o preoneio e a egregação. Não devemo também equeer que, num mundo eo de nabldade, o deemprego erutural (auado pelo deenvolvmento tenológo), que é uma realdade de eala global é, geralmente, uado para eabeleer lmie rgoroo om relação à m¬gração, om o pretexto políto de proteger o emprego da popula¬çõe loa, dlundo o onho de muio mgrante em onegur um emprego e am melhorar ua ondção de vda.

O problema atua deorrente da mgraçõe nternaona Como vmo, a mgraçõe podem auar muio onflio, étno, raa, relgoo et. Ee problema de-

25

GEOGRAFIA

orrente do fluxo mgratóro ão mportante e, em algun paíe, egam a alançar níve de erta gravdade. A aua dee problema redem num velho debate que exe no paíe reeptore, obre e o mgrante vão ntegrar-e à omundade ou manter-e enquado, mar-gnalzado, om regra própra que regem ua vda. Por um lado, o mgrante ão vo omo peoa de¬rente, em vrtude de queõe relgoa, étna ou ultura. Por outro, dependendo da ondçõe, ão o própro m¬grante que adotam a atiude de deea de não e ntegrar. Como onequêna dea dfiuldade de ntegração, o mgrante orrem muio ro e enrentam uma ére de problema muio nluve lgado ao terrormo.

 http://geofaga.blogpot.om.br/ 

26

Entre toda a derença, a derença lnguía ão o prmero obáulo para a relaçõe oa e o exerío da atvdade profional para o mgrante. O tpo de trabalho em erto etore, omo a onrução vl, agrultura e algun ervço meno valorzado, têm aracería pouo atratva, po ão temporáro, pouo remunerado e rejeiado oalmente pela população loal, o que leva o mgrante a queonar ua permanêna, em ontar que na maora da veze ete mgrante ão explorado e ão remunerado muio abaxo do dadão loa.

Bral – Mgraçõe Interna

Mgraçõe nterna, ão aquela que oorrem dentro de um própro paí, também amada de mgraçõe nter-regona, ela repreentam a dnâma do fluxo mgratóro exente no nteror de um dado terrióro. No ao do Bral, é poível dentfiar algun vetore mgratóro que e maneam dede o período olonal, ma que e ntenfiaram a partr do nío do éulo XX.

O que e pode obervar é que o proeo de mgração nterna empre eeve lgado à dnâma eonôma do paí, ma que a ompoção da erutura ía também exereu uma mportante nfluêna. Prmeramente, o ema de tranporte não eram muio avançado, am omo a erutura da rodova e errova no paí não pobliava o deloamento em maa de grande parte da população. Além do, a má ondçõe de vda da população mpeda que o memo e deloaem nternamente, até por que, durante muio tempo o trabalho eravo eeve preente na erutura da eonoma do paí. A prnpal área da mgraçõe do Bral no últmo tempo, o do Nordee do paí e do Norte de Mna Gera para a regõe Sudee e Sul, ma preamente para a grande metrópole, omo São Paulo, Ro de Janero e Campna, e alguma dade da regão Sul, omo Curiba, Floranópol e Porto Alegre. Ee fluxo nou-e no final do éulo XIX, ma e onoldou de orma ma aentuada ao longo do éulo XX, quando o Nordee onheeu o eu delíno eonômo e o Sudee bralero nduralzou-e a partr da nraerutura herdada da eonoma aeera da regão, prnpalmente apó a déada de 30 om o Governo Varga. Ee movmento mgratóro anda exe, ma oberva-e um delíno a partr da déada de 1980. Em 2001, egundo dado do Iniuto de Pequa Eonôma Aplada (Ipea), o número de peoa ando do Nordee rumo ao Sudee o, pela prmera vez, menor do que o do entdo ontráro. Ea tendêna repetu-e anualmente até 2008. Ee movmento onhedo omo movmento de retorno. Normalmente ão peoa ou parente de peoa que há muio tempo mgraram para ea regõe, e que na atualdade eão deenadeando um movmento de retorno a regão de onde há muio tempo partram. Ea mudança podem er explada pelo ato de o Nordee vr apreentando novo índe de reuperação eonôma e de nduralzação. Além do, a oerta de emprego no etor ndural do Sudee vem dmnundo graça à mgração de ndúra para o nteror do terrióro bralero (deonentração ndural) e pelo ato de o etor eundáro oereer meno emprego em razão do reente proeo de mplementação de nova tenologa no ampo produtvo, om a ntrodução de tenologa no proeo produtvo. Uma aracería ma reente da demografia do Bral vem deaando o papel reente da regõe Norte e Centro-Oee prnpalmente a partr da déada de 1960, prnpalmente apó a onrução de Braíla. Ea nova ompoção é, em parte, reultado da políta de Mara para o Oee nada na déada de 1940 e do atratvo de emprego oeredo por ea regõe e ua metrópole. Hoje em da, o maor fluxo mgratóro no Bral egue em dreção à zona do Bral Central e ao Amazona. Vejamo o mapa abaxo:

CAPÍTULO 10 - Geografia Agrára

10. GEOGRAFIA AGRÁRIA Quando penamo na agropeuára, nem empre temo a verdadera noção da mportâna dea atvdade para a obrevvêna da epée humana, e na verdade, de toda a vda na Terra. Apear de er uma atvdade baante antga, apena no período Neolíto é que o ere humano omeçaram a pratar a agrultura propramente dia. O período Neolíto, é o momento em que o ere humano dexam de er nômade e paam a er edentáro. A partr de então, a agrultura paou a e deenvolver e ee proeo ontnua até hoje. Ma a agrultura depende de váro atore, entre ele:

Fatore natura: Contudo, é mportante lembrar que a zona meno habiada do paí não reebem novo mgrante om a mema velodade que o Sudee reebeu outrora. Dado do IBGE onfirmam que o número de mgraçõe nterna no Bral au 37% no últmo 15 ano. Io gnfia que, à medda que a drbução ndural e eonôma do paí aontee, maor a tendêna de eabldade no ampo da mgraçõe nterna.

Bral – Mgraçõe Atua O quadro atual da mgraçõe no Bral, no entanto, paree apreentar o egotamento dea mgração em maa. Com o entro urbano – obretudo Ro de Janero e São Paulo – ompletamente aturado e repleto de problema oa, não há ma um grande atratvo nea dade para a reepção de novo mgrante. Além do, há em proeo uma deonentração ndural no paí, o que vem olaborando para um gradatvo reordenamento do fluxo mgratóro. Dea orma, a regão Nordee – ante a prnpal orgem da mgraçõe nterna – apreentou um aldo poivo em relação ao número de peoa que mgraram ao número de peoa que emgraram durante a prmera déada do éulo XXI. Am, egundo o Ceno do IBGE de 2010, ea o a úna regão a apreentar um aldo poivo de mgrante no últmo ano. A regõe Sul, Centro-Oee e Norte, egundo o memo dado, permaneeram pratamente eáve e a regão Sudee tornou-e a grande “exportadora” de peoa. Ea onfiguração repreenta, além da deentralzação ndural bralera, o retorno da população de outra regõe que hava e nalado no Sudee. Ee retorno, em geral, não repreenta uma opção, ma uma ondção. Ele é reultante da péma ondçõe de vda que boa parte dea peoa que mgraram para ea regão até o final do éulo XX enontrou, além da eaez de emprego e da relaçõe de ramo regona.

Solo; Clma; Relevo;

Fatore eonômo: Invemento; Téna; Políta agríola; Quando analamo a orma de exploração da terra podemo lafiá-la de dua manera: extenva e ntenva.

Intenva 27

• Deaoada do tamanho da propredade. • Alta produtvdade. • Aplação de Téna Moderna. • Uo de máquna. • Bon índe de produtvdade e de rentabldade. O grau de meanzação e de tenologa aplada à produção agrára permie que a produtvdade por hetare dpare e que a utlzação de mão-de-obra eja ínfima. O deempenho do produto agropeuáro e da agrultura moderna e deenvolvda no merado nternaonal não é reultado exluvo da enorme produtvdade que ela alançam. Nea ompoção também entram o nentvo e ubído reebdo pelo produtore agríola de dvero paíe, em epeal o ro. A botenologa, banada pela ggante trannaona, revoluonou a produção agríola om o produto trangêno. Planta ão modfiada genetamente para otmzar a produção agríola, aumentar a produtvdade, tornando a epée modfiada ma nutriva e reente à praga.

Extenva • Baxo nvemento. • Utlzam téna araa. • Baxa produtvdade.

GEOGRAFIA

• Muia veze voltada para a ubêna. Podemo lafiar a atvdade agríola também obre ua finaldade:

Subsêna Quando e produz para o própro onumo e o onumo da amíla. Normalmente ea atvdade e deenvolve em pequena propredade rura.

Comeral Quando a produção é denada ao oméro nterno ou externo. Normalmente ea propredade e deenvolve em grande propredade rura, om a utlzação de téna ma moderna. Ao longo de mlhare de ano, a téna aplada na agrultura oram e modernzando, e muia dela hoje já não ão ma uada. A téna, tem omo prnpal objetvo, aumentar a produtvdade, reduzr uo e eviar o degae do olo. Vejamo alguma téna ma mportante:

28

O olo evoluído pouem normalmente vára amada obrepoa, degnada por horzonte. Ea amada ão ormada pela ação multânea de proeo ío, químo e bológo e podem dngur-e entre  atravé de determnada propredade, omo por exemplo a or, a textura e o teor em argla.

01. Rotação de ultura 02. Rotação de terra; 03. Aoação de ultura; 04. Curva de nível e/ou terraeamento; 05. Planto dreto; 06. Pouo; 07. Meanzação. A agrultura, apear de er mprendível na obrevvêna da humandade, também traz algun problema ambenta que e não orem mnmzado pela téna e udado epea, podem e tornar bem grave degradando o olo e nvablzando toda atvdade agríola. Deaamo algun problema ambenta a egur: a. Eroão; b. Lxvação; . Laterzação; d. Polução do olo, da água e do lençol reáto pelo uo de agrotóxo; e. Morte de anma; . Envenenamento de trabalhadore; g. Derução da mata lare; h. Amplação do dematamento. . Compacação do olo pelo uo exevo de máquna.

11. OS SOLOS É a porção exteror, uperfial da roa terrere ormada pela roa que oram deompoa e aoada a reo orgâno.

  Importante:  Hoje muia quetõe abordam a relação do homem om o epaço geográfio e ua oupação, e um dese elemento ma mportante é o olo e omo o homem deve ou devera oupar e explorar ese olo de manera adequada. O termo uado para degnar esa oupação é amado de ação antrópa.

Tpo de Solo  Na uperíe terrere podemo enontrar dvero

CAPÍTULO 11 - Os Solos

tpo de olo. Cada tpo pou aracería própra, ta omo dendade, ormato, or, onêna e ormação químa.

Solo Argloo Pouí onêna fina e é mpermeável a água. Um do prnpa tpo de olo argloo é a terra roxa, enontrada prnpalmente no eado de São Paulo, Paraná e Santa Catarna. Ee tpo de olo é bom para a práta da agrultura, prnpalmente para a ultura de aé. Na regão liorânea do Nordee enontramo o maapé, olo de or eura e também muio értl.

Cana de Açúar No Bral, o etor agrondural prevê aumento gnfiatvo da produção de ana-de-açúar para o próxmo ano. Io pode er atrbuído ao aumento do nteree nternaonal por onte renováve de energa, em unção do Protoolo e Kyoto. O eado deaque na produção é o Sudee.

Café

Pou onêna granuloa omo a area. Muio preente na regão nordee do Bral, endo permeável à água.

Um do prnpa produto do Bral, prnpalmente até 1929 – Cre de 29 – Quebra da bola de Nova York. Teve eu planto nado no Vale do Paraíba, poerormente deloando-e para o oee de São Paulo, Norte do Paraná. Hoje om grande deaque o eado de Mna Gera. O Bral anda é um grande produtor endo um do deaque no merado mundal, tanto em quantdade omo em qualdade do aé.

Solo Humoo

Mlho

Preente em terrióro om grande onentração de materal orgâno em deompoção (húmu). É muio utlzado para a práta da agrultura, po é extremamente értl (ro em nutrente para a planta).

Um do ma mportante produto do paí, oupa uma parela onderável de terra, muio utlzado para a produção de ração, voltado para almentação de anma. É produzdo em todo o Bral.

Solo Caláro

Outro Produto

Solo Arenoo

É um tpo de olo ormado por partíula de roa. É um olo eo e equenta muio ao reeber o rao olare. Inadequado para a agrultura. Ee tpo de olo é muio omum em regõe de deerto.

Nota: Voê aba? A êna que esuda a ompoção, o deenvolvmento e a formação do olo é a Pedologa.

Produto Desaque no Bral Soja A expanão da produção da oja no Bral atende a numeroo nteree, e é produzda em grande parte do terrióro bralero. • Sua exportação ontrbu para a obtenção de uperávi na balança omeral; • Seu preço no merado mundal envolve o merado de açõe e grupo finanero; • Sua produção eá aoada ao omplexo agrondura e ao agronegóo; • Seu ultvo exge grande nvemento em numo e máquna produzdo pela trannaona.

Arroz, Fejão, Algodão, Trgo, Uva, Maçã, Caau.

 Obervação: No final do ano 60 do éulo XX, o Bral paou a vvenar o mpaco da Revolução Verde no deenvolvmento de uma agrultura moderna e de grande efiêna eonôma. No entanto, a Revolução Verde trouxe também efeio pervero de ordem oal, eonô ma e ambental. •Amplação do proeo de onentração fundára pela norporação da a mada frontera agríola à produção aptalsa. •Formação de um amplo ontngente de trabalhadore volante, dependente de um merado de trabalho om grande  azonaldade. •Amplação da dependêna do produtore ao merado de emente pela ntena utlzação de híbrdo. •Comprometmento do reuro hídro pelo aoreamento de uro d’água e ontamnação por produto químo.

29

GEOGRAFIA

A Quesão Fundára no Bral O padrão onentrador da propredade de terra é um do traço marante da atual erutura undára bralera, uja orgen remota enontram-e no modelo de olonzação aplado à Améra portuguea. Vejamo algun exemplo: a. A dvão da Capiana Herediára; b. Trabalho no ampo pouo valorzado; . Terra nônmo de rqueza preígo e poder; d. Produção voltada predomnantemente para o merado externo; e. Le de Terra – 1850 O reultado do, não podera er outro, onentração de terra levando a váro onflio no ampo. Oberve o gráfio e a arge:

por um onjunto amlar equvalente a quatro peoa adulta, orrepondendo a 1.000 jornada anua, l he aborva toda orça de trabalho em ae do nível tenológo naquela poção geográfia e, onorme o tpo de exploração onderado, proporone um rendmento apaz de lhe aegurar a ubêna e o progreo oal e eonômo. Utlzando o módulo rural, a le no. 8629 de 1993, definu que a lafiação do móve rura, egundo ua dmenão, paara a er realzada om bae no módulo fial, oneio ee dervado do módulo rural. Trata-e na realdade do módulo rural médo do munípo a er lafiado. Ee pode varar de 5 a 110 hecare pelo paí. A partr dea nova definção, o móve rura paaram a er lafiado da egunte manera: Mnfúndo – móvel rural menor que o módulo fial epulado para o repecvo munípo. Pequena propredade – móvel rural que tem área entre 1 e 4 módulo fia. Méda propredade  – móvel rural que tem área entre 4 e 15 módulo fia. Grande propredade – móvel rural que tem área ama de 15 módulo fia. Ea undade ão riéro para que e promova a reorma agrára, om a deapropração de grande propredade mprodutva e que não umpram ua unção oal. Ma nelzmente o onflio no ampo ontnuam.

Peuára Bralera

30

• O gráfio demonra que era de 90% do eabelemento rura ão pequeno (meno de 100 ha) e repreentam meno de 22% da área agríola. • O gráfio revela que era de 2% do eabelemento rura ão grande (1.000 ha ou ma) e abrangem ma de 40% da área agríola. Em 1964 o promulgada uma ére de Le onheda omo Eatuto da Terra, om o objetvo de planejar uma reorma agrára. Para e penar em reorma agrára hava a needade de lafiar a propredade rura egundo ua dmenão. Fo então, que urgu o oneio de módulo rural. Módulo Rural: área explorável que, em determnada porção do paí, dreta e peoalmente explorada

No Bral, apear de er onderado um paí ndutralzado, a agrultura e a peuára oupam uma poção mportante na eonoma. No que e reere a peuára, ela exere uma grande relevâna na exportaçõe bralera, além de abateer o merado nterno. É uma atvdade eonôma deenvolvda em área rura que one na ração de anma (omo o gado) om o objetvo de omeralzá-lo, uprndo am a needade da amíla do rador. No ao do bovno, além da arne, ão extraída outra matéra-prma, omo o ouro (produção de alçado), pele (veuáro), oo (abrar botõe) e muio

CAPÍTULO 11 - Os Solos

outro. Fundamentalmente, a atvdade em oo é lgada à ração de gado (bovno), embora eja onderada também a produção de uíno, ave, equno, ovno, bualno. Ee ramo tem omo reponabldade prnpal dponblzar para o merado almento omo arne, leie e ovo, bae da deta humana. Ea atvdade eá dvdda em do tpo, a peuára de orte e de leie, amba podem er deenvolvda de dua orma, a peuára ntenva e a extenva. Na produção extenva, o anma ão rado olto em grande área, almentam-e de paagen natura e não reebem maore udado, em ontrapartda, na ntenva, o anma ão manejado em pequeno rento om deta à bae de raçõe balaneada epeífia para engorda ou leie. Na peuára extenva, apear de ter um uo menor, o tempo que leva para o anma fiarem pronto para o abate é maor. Enquanto que na peuára ntenva o tempo de preparo dee anma para o abate é menor, ma tem um uo de maor. Quanto a qualdade da arne, é algo muio relatvo, po depende da orma de produção e o tpo de almentação que ee anma tveram durante eu remento. A qualdade da arne não deve er medda pela ua maez. A peuára de leie eá lgada à produção leiera e dervado. Tradonalmente uma da área ma mportante na ração de bovno é o Ro Grande do Sul, (1º em qualdade), apear dea atvdade ter eu nío no Sertão do Nordee, ma no últmo ano a ração de bovno tem e deenvolvdo também em outra regõe omo o Centro-oee e Norte do Bral. Um eado deaque na produção de leie e dervado é o eado de Mna Gera. Hoje, pratamente em todo o Bral e oberva a ração de anma. Vejamo algun deaque na atualdade: Frango e Peru – Regão Sul (SC, PR) Bovno – Regão Sul, Regão Centro-oee, Norte, Sudee. Ovno – Regão Sul Equno – Sul, Centro-oee e Sudee. Suíno – Regão Sul Bubalno – Norte (Ilha de Marajó) Anno – Nordee

Indusralzação bralera A nduralzação bralera o um evento tardo que e onoldou a partr da déada de 1930, todava, abe realtar o motvo dee atrao e anda dentfiar o atore que pobliaram ua realzação. Dea orma, onvém eparar a nduralzação bralera em período: I -1500–1808. Conhedo omo “Período da Probção”, nea époa o Bral era olôna de Portugal e ua unção era orneer matéra prma a metrópole e adqurr dela manuaturado. Logo, Portugal mpeda a eruturação de ndúra bralera que pudeem repreentar onorrêna ao manuaturado portuguee e onequentemente pudeem levar o paí a ndependêna

eonôma e ma adante políta. Am, nee período hava apena ndúra de pano groo denado à oneção de roupa para eravo e dema trabalhadore. II - 1808 – 1930. Conhedo omo “Período da Implantação”, aracerzado pela vnda da amíla real ao Bral e pela abertura do porto bralero ao merado externo. Nea époa a taxa de mportação avoream a ompra de produto portuguee e poerormente devdo ao aordo eabeledo om a Inglaterra, de produto nglee. A grande rulação do manuaturado briâno deemulava o urgmento da ndúra bralera. Em 1844, om o objetvo de proteger o merado bralero do produto erangero e promover o aparemento de ndúra bralera o deretada a Le Alve Brano que aumentava a taxa de mportação ob o manuaturado vndo que qualquer paí, porém, omo a medda oram nufiente a orte paa a oereer ubído a ndúra têxtl. Ma adante outro ato que nfluenou a nduralzação bralera o a Le Euébo de Queró que proba o tráfio negrero e pobliava a tranerêna de apial, ante aplado na aqução de eravo, no etor ndural. E anda, a vnda de mgrante para trabalhar na aeultura trouxe um ontngente populaonal om nova téna de produção. Ambo o atore geraram um novo merado onumdor no paí que era apaz de aborver o nduralzado aqu produzdo. Ano ma tarde verfiou-e a mplantou de númera ndútra, om deaque para a têxte e almentía. No enáro mundal, a prmera guerra mundal dfiultava a exportação do aé, bem omo a mportação de nduralzado, para oluonar a re eonôma o apial gerado pelo aé o nvedo em nova ndúra a fim de uprr o ben de onumo mportado, daí nome do modelo de nduralzação bralera, ubiução de mportação. III - 1930 – 1955. Conhedo omo “Revolução Indutral Bralera”, araterzado pelo ntervenonmo etatal da Era Varga, no qual Getúlo aaou a elie agrára tradonal do poder mplantando ndúra de bae e aumentando a geração de energa, atravé da ração do Conelho Naonal do Petróleo (1938), a Companha Sderúrga Naonal (1941), Companha Vale do Ro Doe (1943) e a Companha Hdrelétra do São Frano (1945). Nee período o Bral e benefiou om a Segunda Guerra Mundal orneendo nduralzado ao paíe arraado pelo onflio. Já no egundo governo Varga rou a Petrobra (1953) e o Sema Paulo Aono (1954). IV - 1955 – 1964. Conhedo omo “Período da Internaonalzação”, nado pelo plano de meta de Kubiek no qual oorreu reonhedo remento do etor de tranporte. Cabe realtar a atuação da emprea multnaona no paí e o aumento da ndúra automotva (Ford, General Motor e Volkwagen), químa, armaêuta e de onrução naval. No nío da déada de 60 o paí paou por uma eagnação eonôma e onequentemente ndural.

31

GEOGRAFIA

32

V - 1964 -1980. Apó um período de nabldade políta o mliare tomam o poder e oorre uma dverfiação do parque ndural bralero om a expanão da ndúra de ben de onumo duráve e não duráve. Em 1979, a exportaçõe de nduralzado uperam a exportaçõe do produto prmáro. VI -1980 – atualmente. O ano de 1980 fiaram onhedo omo déada perdda devdo a re eonôma, já a déada egunte o marada pelo plano real e egudo de nvemento erangero om a prvatzaçõe da ndura eata e alado ao nvemento a mro e pequena emprea repreentaram progreo eonômo. Atualmente o paí pou um parque ndural onoldado e dverfiado om orte preença de apial erangero reando o deafio de deenvolver tenologa naonal de ponta. No toante a drbução epaal da ndúra bralera, há uma maor onentração de ndúra na regão udee prnpalmente em na área metropoliana de São Paulo, Ro de Janero e Belo Horzonte, nlundo dade omo Volta Redonda/RJ, Maaé/RJ, Campo/RJ, Uberlânda/MG, ABCD paula, Campna/ SP, Rberão Preto/SP, Santo/SP, Jundaí, dentre outra. Hoje é omum alar em deonentração epaal do udee devdo a upervalorzação do epaço urbano dea área, endo que o deno prnpal dea ndutra é a regão ul que também polarza grande parte da atvdade ndural do paí e pode er enarada omo uma extenão da regão udee. No nordee a atvdade ndural é ma aentuada na porção liorânea e a exploração de petróleo no reônavo baano trouxe um novo mpulo ndural à regão. Já no entro oee a ndúra ão ma voltada ao nremento do etor agráro. E por fim a regão norte pou uma nduralzação pouo expreva e trata-e em ua maora de ndúra de benefiamento de matéra prma dvera, o deaque da regão é a Zona Frana de Manau voltada para a produção de eletrôno. O mapa abaxo mora a drbução da ndúra bralera.

Dentre a dez maore ndúra preente no paí tem-e: Petrobra (etor de energa), Vale (etor de mneração), Volkwagen (etor automoblío), Fat (etor automoblío), Ambev (etor de ben de onumo não duráve), Brasen (etor químo e petroquímo), General Motor (etor automoblío), Arelor Miall (etor derúrgo e metalurga), Bunge almento (etor de ben de onumo não duráve) e Umna (etor derúrgo e metalurga).

12. GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO ECONOMICA ENTRE PAÍSES

Na atualdade, o apialmo, ema eonômo vgente na maora do paíe, apreenta uma dnâma da aumulação ortemente nternaonalzada tanto ob a orma de apial produtvo quanto finanero ou omeral. Nea perpecva, globalzação e ntegração, prnpalmente eonôma, oniuem-e em apeco entra do unonamento da eonoma mundal no da de hoje. A globalzação, por reerr-e, de um modo geral, ao aproundamento do aráter nternaonal do proeo eonômo; e a ntegração por remeter à tendêna de urgmento de epaço de relaçõe prvlegada entre paíe, da mema manera que pode expor a grande derença entre ele. Podemo dzer am que, a eonoma globalzada apreenta-e omo um nteno moao mundal do qual azem parte bloo de eonoma naona que oentam derente grau de fludez nterna no movmento de ben e peoa, meradora e atore produtvo. A globalzação era, portanto, um proeo de ntegração mundal que e ntenfia na últma déada, prnpalmente apó a déada de 90, om a Nova Ordem Mundal, om bae na lberalzação eonôma, quando o Eado abandonam gradatvamente a barrera tarára que protegem ua produção da onorrêna erangera e e abrem ao fluxo nternaonal de ben, ervço e apia.

CAPÍTULO 13 - Blocos Econômicos

Segundo o Dplomata Sérgo Abreu e Lma Florêno e Erneo Henrque Fraga Araújo, o proeo de ntegração eonôma reere-e a “um onjunto de medda de aráter eonômo que tem por objetvo promover a aproxmação e a unão entre a eonoma de do ou ma paíe”.

13. BLOCOS ECONÔMICOS

Zona de Lvre Coméro Quando oniuem uma Zona de Lvre Coméro (ZLC), o paíe parero reduzem ou elmnam a barrera alandegára, tarára e não-tarára, que ndem obre a troa de meradora dentro do bloo. Ee é o egundo eágo no amnho da ntegração eonôma. O NAFTA oniu-e em exemplo de Zona de Lvre Coméro, um aordo firmado entre o Eado Undo, o Canadá e Méxo.

Unão Aduanera

Coniuem-e na unão de paíe, geografiamente próxmo, ou não, que buam atravé de aordo reduzr a barrera eonôma entre , permindo am um fluxo eonômo maor, promovendo am uma maor ntegração eonôma entre o membro. Da mema manera, omprometem-e em reduzr a oberana naonal em prol da oberana em grupo. A onfiguração dee grupo, ante de er um pro jeto puramente eonômo, é um projeto políto, reultante de uma deão de Eado que normalmente leva a um aproundamento na relaçõe oa, políta e eonôma, entre o ntereado. Dependendo do nível de ntegração o Bloo Eonômo podem er lafiado em: em zona de preerêna tarára, zona de lvre oméro, unão aduanera, merado omum e unão eonôma e monetára. Vejamo, ada um dele:

Zona de Preferêna Tarfára Ee prmero proeo de ntegração eonôma one apena em garantr níve taráro preerena para o onjunto de paíe que pertenem a ee tpo de merado (n MERCOSUL HOJE, Sérgo Florêno et Erneo Araújo). A antga Aoação Latno-Amerana de Lvre Coméro (ALALC) o um exemplo de Zona de Preerêna Tarára, po prourou eabeleer preerêna tarára entre o eu onze membro, que eram todo o Eado da Améra do Sul, om a exeção da Guana e do Surname, e ma o Méxo. Em 1980, a Aoação Latno-Amerana de Integração (ALADI) ubiuu a ALALC.

Cone na regulamentação de uma Unão Aduanera, momento em que o Eado-Membro, além de abrr merado nterno, regulamentam o eu oméro de ben om naçõe externa, já unonando omo um bloo eonômo em ormação. Caracerza-e por adotar uma Tara Externa Comum (TEC), a qual permie eabeleer uma mema tara aplada a meradora provenente de paíe que não ntegram o bloo. Nea ae, dá-e nío à ormação de omõe parlamentare onjunta, aproxmando-e o Poder Exeutvo do Eado naona de eu repecvo Leglatvo. O MERCOSUL, om o Bral, a Argentna, o Urugua o Paragua e ma reentemente a Venezuela, oniuem, na atual ae de deenvolvmento, uma Unão Aduanera que luta para e tranormar em um Merado Comum.

Merado Comum Apreenta-e omo um proeo baante avançado de ntegração eonôma, garantndo-e a lvre rulação de peoa, ben, ervço e apia, ao ontráro da ae omo Unão Aduanera, quando o nterâmbo retrnga-e à rulação de ben. No Merado Comum rulam ben, ervço e o atore de produção (apia e mão-de-obra) e preupõem-e a oordenação de políta maroeonôma, devendo todo o paíe-membro egur o memo parâmetro para fixar taxa de juro e de âmbo e para definr políta fia. A Comundade Eonôma Europea, a partr de 1992, tranormou-e em um bloo eonômo do tpo Merado Comum.

Unão Eonôma e Monetára Ee é o eágo ma avançado do proeo de ormação de bloo eonômo, ontando om uma moeda úna e um órum políto. No eágo de Unão Eonôma e Monetára tem de exr uma moeda úna, que pode er uada por todo o membro, ou não, e uma políta monetára nteramente unfiada e onduzda por um Bano Central omuniáro. Para e egar ao eágo de Unão Eonôma e Mo-

33

GEOGRAFIA

34

netára, há que e atravear toda uma ére de momento que demandam tempo e duõe entre o paíe-membro. Am, ada aordo gnfia um avanço em relação à iuaçõe anterore de níve de ntegração, empre dependente da vontade políta do parero que azem um determnado bloo eonômo em proeo de ntegração. Por exemplo, o MERCOSUL não dpõe atualmente de niuçõe upranaona, ma ão tranparente o avanço em eu proeo de ortalemento e onoldação, em que peem a re onjuntura no plano da ntegração eonôma. O NAFTA, tudo nda, paree não pretender adotar o prnípo da lvre rulação de trabalhadore, embora tenha avançado baante no que dz repeio ao volume da troa omera. Já a Unão Européa, orgnada da Comundade Eonôma Européa, por eu avanço em meo éulo de negoaçõe, tornou-e o maor exemplo de um proeo de ormação de bloo eonômo no mundo ontemporâneo. A déa da onrução eetva de uma organzação aberta para reunr paíe europeu partu de uma propoa de Robert Suman, Mnro ranê da Relaçõe Exterore, em 1950, ao demonrar o nteree omun da França e da Alemanha Odental quanto ao reuro natura do arvão e do aço no terrióro europeu. Em 18 de abrl de 1952, a França, a Alemanha Odental, a Bélga, Luxemburgo, o Paíe-Baxo e a Itála anaram, em Par, um tratado niundo a Comundade Européa do Carvão e do Aço (CECA). A atual Unão Européa, urgda da ração, em 1957, da Comundade Eonôma Européa (CEE), repreenta o ma avançado eágo dee proeo de ntegração em bloo eonômo, nluve om a adoção de uma moeda omum, o Euro, e agora também políta, om o unonamento de um Parlamento Europeu ortaledo, que tem ede em Eraburgo, na França, ormado por deputado do paíe da Comundade Européa, eleio pelo dadão do paíe-membro para repreentá-lo num órum upranaonal. Com a re eonôma a partr 2008, 2009, o Bloo Eonômo paam a er queonado em ua organzação, po não eviaram a re nem tão pouo prevram a poíve re, ao ontráro, aabaram por amplar a re para paíe membro do bloo. Na atualdade, há uma aparente almara em relação ao Bloo Eonômo, o não quer dzer que o memo voltarão a ter a mportâna que tnha, quando urgram na déada de 90. Quer dzer, urgram ante, apó a egunda guerra mundal, ma atngem eu auge na déada de 90. É eperar pra ver.

13. O COMÉRCIO MUNDIAL E A EVOLUÇÃO DO CAPITALISMO MUNDIAL

Para e entender a atual onjuntura políta e ama de tudo eonôma do paíe na atualdade, é neeáro onheer um pouo obre a evolução do ema eonômo que é predomnante no mundo. Vamo analar, memo que de orma ma mple a evolução do Capialmo mundal, prourando ompreender ada ae ndvdualmente.

Orgem Aredia-e que o nío do apialmo oorreu no éulo XIII, a partr da deeruturação do ema eudal, que por ua vez modfiou o etor produtvo e a relaçõe de trabalho, nee momento houve o renamento omeral que fiou aracerzado pela tranção do eudalmo para o apialmo.

Prmera Fae: Capialmo Comeral No éulo XV, reebeu o nome de apialmo omeral, para algun autore pré-apialmo, ee o marado prnpalmente pela expanão ultramarna, olonzação do novo mundo, ontnente arano, aáto e amerano, políta merantla e por fim o urgmento da prmera potêna europea: Portugal e Epanha.

Segunda Fae: Capialmo Indusral No final do éulo XVIII e nío do XIX, teve orgem o amado apialmo ndural, ee fiou aracerzado por muia evoluçõe que oram prmorda à oorrêna da Prmera Revolução Indural na Inglaterra, no éulo XVIII, a utlzação do arvão mneral omo onte de energa para a ndúra têxtl reebeu o nvento da máquna a vapor, a nerção de outra naçõe no proeo, omo França, Alemanha, Eado Undo e Japão. O mperalmo europeu, a partlha olonal, om deaque para o ontnente arano, o lberalmo e o urgmento do oalmo também mararam ee período.

Terera Fae: Capialmo Fnanero O apialmo finanero tem eu nío no éulo XX, e o ato hóro e aracería da etapa remetem-e à Segunda Revolução Indural, o deobrmento do petróleo omo onte de energa, nvento do motor à ombuão, a ndúra automoblía e a evolução no tranporte, eonoma monopolzada de ndúra e finança, a ração da Unão Sovéta, Cra da Bola em 1929 (re de 29), ntervenção do eado na eonoma, termnando om o lberalmo puro, a expanão e urgmento de grande orporaçõe e emprea trannaona. A onoldação da Terera Revolução Indural, também denomnada de Revolução Tenológa, e deu pela reordenação epaal da ndúra, reorganzação da dvão nternaonal do trabalho e prnpalmente pela aelerada evolução e novaçõe tenológa (teleomu-

CAPÍTULO 14 - Divisões Internacionais do Trabalho

nação, tranporte, normáta e botenologa). Pode-e afirmar que na atualdade, eamo vvendo ea ae do Capialmo Fnanero, prnpalmente e olharmo atravé da manera de omo a naçõe eão organzada dentro do proeo de globalzação. Ma omo a naçõe e relaonam numa eonoma globalzada? Para repondermo ea pergunta, vamo euda a DIT= Dvão Internaonal do Trabalho. Vamo lá.

14. AS DIVISÕES INTERNACIONAIS DO TRABALHO A DIT (Dvão Internaonal do Trabalho) é a drbução da produção eonômo-ndural nternaonal, em outra palavra, repreenta a unção que ada paí oupa dentro da dnâma eonôma mundal. Conderando que é mpoível que um úno paí eja potenalmente produtor de toda a meradora de que prea para e manter, ea e dvdem em ampo de epealzação produtva pela dvera parte da Terra. A DIT paou por alguma ae, ea obedeeram à dnâma eonôma e políta do período hóro em que ela exram. Veja o quadro abaxo:

Vamo analar ma detalhadamente ada uma da ae, tem atenção epeal para o período de oorrêna da DIT, e ua aracería gera.

Segunda DIT Durante o éulo XVI – ma prnpalmente a partr do éulo XVII – ea dvão do trabalho oreu alguma poua e eníve alteraçõe. Com a Prmera e a Segunda Revolução Indural, a olôna e o paíe ubdeenvolvdo paaram a orneer também produto agríola, am omo váro tpo de mnera e epeara. Nee período, por exemplo, o Bral e vu marado pela monoultura da ana-de-açúar (éulo XVI) e exploração de ouro (éulo XVII).

Terera DIT ou “Nova DIT” A partr do éulo XX, om a Revolução Téno-Centífia-Inormaonal e a onoldação do Capialmo Fnanero, temo a expanão da grande multnaona pelo mundo. Io aarretou na mudança da Dvão Internaonal do Trabalho, que paou a er onheda também por Nova DIT. Nee período, o paíe ubdeenvolvdo também realzaram o eu proeo tardo de nduralzação. Só que, derentemente da nduralzação do paíe deenvolvdo, ea aonteeu a partr da abertura do merado finanero dee paíe e pela nalação de emprea Multnaona ou Globa, orunda, quae empre, de paíe deenvolvdo. Além do, au-e também a uma egmentação do merado produtvo. Para buar ençõe de mpoo e rápdo aeo a matéra-prma no paíe ubdeenvolvdo, vando ama de tudo reduzr uo de produção, a multnaona drbuíram o eu proeo produtvo por todo o globo terrere. Um arro, por exemplo, tem o eu motor produzdo no Méxo, o para-oque na Argentna, o Cha na Corea do Sul e a montagem realzada no Bral. O prnpal objetvo do tudo, é e manterem ompetiva na atual eonoma globalzada. Com o, urgu a denomnação de “ndúra maquladora”, po não hava produção de nenhum materal nela, ma apena a montagem orunda da produção de peça de dvero etore do mundo. A maora da ndúra automoblía é, na verdade, reponável apena pela montagem do arro.

Prmera DIT Durante o final do éulo XV e ao longo do éulo XVI, período de nío da grande navegaçõe e de expanão da vlzação europea pelo mundo, o apialmo enontrava-e em ua ae nal, amada de aptalmo omeral. Ee período era aracerzado pela manuatura (produção manual) a partr da extração de matéra-prma e pelo aúmulo de mnéro e meta preoo por parte da naçõe (metalmo). Com o, aquele loa olonzado pelo paíe europeu exeram a unção de produzr, a partr da exploração de eu reuro natura, o meta preoo e a matéra-prma utlzado pela metrópole. Um exemplo é o do Bral, em que Portugal extraía o Pau-Bral para a produção de váro tpo de produto.

É mportante rar que a produção ndural ontnua endo realzada majoriaramente pelo paíe

35

GEOGRAFIA

deenvolvdo, ou om o apial orundo dee paíe. Apena o loal da produção é que mudou, ma todo, ou quae todo, o apial dea emprea retorna ao eu paíe de orgem. Ea mgração da multnaona e deve pela bua de mão de obra abundante no paíe pobre e por maore oportundade de explorarem o reuro natura, que por fim, omo alentamo, é reduzr uo de produção.

15. PAÍS DESENVOLVIDO, SUBDESENVOLVIDO, CAPITALISMO, SOCIALISMO Soalmo O Soalmo urgu omo opção em razão da grande degualdade oa que maram o apialmo dede o eu nío, o trabalhadore europeu, a partr do éulo XIX, omeçaram a lutar por mudança que pueem fim à exploração de que eram vítma. Jornada de trabalho exauva, rendmento baxo e ondçõe de trabalho nalubre. Uma da alternatva urgda o o Soalmo Centífio, dealzado por Karl Marx e Fredr Engel, que vava o fim do apialmo e a ormação de uma oedade ma gualiára. 36

Sua prnpa aracería ão: a. Soalzação do meo de produção: todo o meo de produção pertenem a toda a oedade, permaneendo ob o ontrole do Eado. b. Eonoma planfiada e ontrolada pelo Etado: todo o etore da eonoma ão ontrolado pelo Eado, que define, por exemplo, o aláro do trabalhadore, o que erá produzdo, onde, quando e a que preço. . Soedade em dvão de lae: a lae trabalhadora é a úna que deve exr em uma oedade oala. d. Produção voltada para atender a needade da população. No entanto, o Soalmo Centífio nuna o pratado da manera omo o autore prevam, e oreu um duro golpe na déada de 80/90, quando o mundo paa a vver uma Nova Ordem Mundal, prnpalmente om o fim da Guerra Fra. Vejamo omo oorreu o fim do Soalmo.

O fim do Soalmo O oalmo, obretudo na Unão Sovéta e no Lee Europeu, aracerzava-e pelo exevo ontrole do Etado. A deõe políta eram tomada exluvamente pela lae drgente, que omandava o paí e mpeda a partpação popular e a lberdade de expreão.

Somavam-e a o o problema eonômo, tenológo e a ampanha do mundo apiala odental, ontra o oalmo. Dante dee quadro, e om a grande tranormaçõe que oorreram apó a déada de 80/90, na URSS – Unão da Repúbla Sovéta, om ua dentegração, o Soalmo, até então adotado pela URSS, tem eu fim. O paíe que azam parte da URSS, paaram am, para uma eonoma de tranção, até mplantarem o Capialmo. É alutar amar a atenção que o ema Soala não aabou, anda há paíe que adotam ou e dzem Soala na atualdade, omo é o ao de Cuba e da Chna. O que houve e vmo, é o fim do Soalmo adotado pela URSS – Rúa e ma a 15 ex- repúbla ovéta, que e tornaram paíe ndependente apó a dolução da antga URSS, ormando a Repúbla Bálta, e a CEI – Comundade do Eado Independente.

Paíe Deenvolvdo O deenvolvmento de um paí oorre quando há um remento de ua eonoma, o é, um aumento a produção de ben e ervço aompanhado de melhora no padrão de vda de ua população. Em relação ao ndadore eonômo: a aracería ma relevante reerem-e ao grau de nduralzação e à dependêna eonôma externa. Am, o paíe deenvolvdo ão baante nduralzado e não pouem dependêna finanera. No que e reere ao ndadore oa: o ma utlzado ão a taxa de nataldade e de mortaldade nantl, a expecatva de vda, a taxa de alabetzação, a ondçõe médo-aniára e a renda per apia da população. Oberva-e que, no deenvolvdo, a população deruta de um elevado padrão de vda.

Paíe Subdeenvolvdo O ubdeenvolvmento de um paí, por ua vez, oorre, quando ele é predomnantemente agríola, geralmente om baxo nível de nduralzação, tem eonoma nável que paa por re peróda, além de er muio dependente finaneramente. Em relação ao apeco oa, oberva-e que, grande parte da população obrevve em ondçõe preára. O paíe deenvolvdo e ubdeenvolvdo também ão denomnado, repecvamente, pela expreõe Norte e Sul. Ea denomnação tem omo riéro a poção geográfia do paíe: o ro (exeto Aurála e Nova Zelânda - Sul) eão no heméro Norte, enquanto o ubdeenvolvdo iuam-e ao Sul da naçõe deenvolvda. Hoje também podem er vo omo paíe entra e paíe peréro do Capialmo mundal.

Orgen do Subdeenvolvmento - Paíe Horamente, ão paíe que oreram um proeo de exploração, ou eja, ua rqueza (ouro, prata, produto agríola, et.) o aproprada por ua metrópole

CAPÍTULO 16 - Fontes de Energia

europea. Na atual dvão nternaonal do trabalho, ão paíe produtore de gênero agríola e/ou matéra-prma ou oram nduralzado reentemente pela multnaona. A qualdade de vda de ua populaçõe é baxa, ou eja, o índe de Deenvolvmento Humano é baxo ou médo, já que a drbução de renda é degual, aarretando a alta de aeo de ua populaçõe à aúde (alta mortaldade nantl, baxa expecatva de vda), à eduação (analabetmo e baxa eolardade) e até à almentação (ubnutrção e ome). Portanto, oberva-e nee paíe uma grande degualdade oal.

Fonte Hídrica

Obtda atravé de grande orpo d’água, é utlzada para a onrução de hdrelétra e onequente abaemento de eletrdade.

Eólica

Obtda atravé da velodade do vento, o aero geradore permiem a geração de eletrdade em loa aaado de rede elétra onvenonal, além de permir o bombeamento de água.

Marés

Obtda atravé da alta e baxa maré que movmentam turbna gerando eletrdade.

Solar

Obtda atravé do alor do Sol, é ma utlzada para aquemento redenal e de água, ma também poblia geração de eletrdade por meo de pané otovoltao.

Geotérmica

Obtda atravé do alor nterno da Terra que aquee a água ubterrânea e ea afloram em uperíe em orma de gêere (naente de água quente em erupção). Nee loa ão onruída tubulaçõe para que o vapor de água quente movmente turbna, gerando eletrdade.

Biomassa

Obtdo atravé da ombuão da matéra orgâna anmal e vegetal aproveiada em aldera para geração de energa térma e onequentemente elétra. A bomaa pode er utlzada para a ermentação em bodgeore gerando gá emelhante ao gá natural de orgem ól, que por ua vez é quemado e gera eletrdade. E por fim atravé da bomaa da ana de açúar, mamona, dentre outa pode er obtdo o boombuíve, omo no ao do etanol utlzado para veíulo.

16. FONTES DE ENERGIA Coneio A energa pode er definda pela apadade de gerar trabalho, omo no ao da geração de alor, luz, eletrdade, deloamento, dentre outra. Já onte de energa ão o reuro natura de onde provem ee trabalho. Exem do tpo de onte de energa, a renováve e lmpa, ou eja, ão aquela que a natureza reproduz em um lo de vda humana e ua utlzação não é altamente poluente. Em ontrapartda, a onte não renováve ão aquela que a natureza reproduz num lo de vda geológo e ão altamente poluente. No deorrer de ua hóra, o homem vem deobrndo e domnando onte de energa ndpenáve ao eu deenvolvmento. Inalmente om o uo prmivo da energa muular, aompanhada àquela advnda do ogo, dentre outra onebda até o maro da oedade moderna, a Revolução Indural no éulo XVIII, quando vnulamo o progreo à utlzação da onte de energa ól, prmeramente om o aproveiamento energéto do arvão mneral e ma a dante om a proemnêna do petróleo. Atualmente a matrz energéta mundal eá alada na larga utlzação do ombuíve óe (arvão mneral, petróleo e gá natural), tal enáro é alarmante vo a reerva finia dea onte, à flutuação de preço devdo à re munda pela qua o grande produtore de petróleo paaram ao longo da hora e por fim devdo ao reente gradente de degradação ambental. Dentro dee ontexto, a partr da déada de 60 ntenfiam-e o uo e a deoberta da amada onte alternatva de energa, ou a amada renováve e lmpa. No toante a apraçõe undamenta a qualquer nação do globo, a exemplo da qualdade de vda, bem omo avanço ndura e onequentemente eonômo, a queão energéta é um do objeto de maor mportâna da atualdade. O quadro abaxo lam a prnpa onte de energa mundal.

Quadro 1. Fonte de energa renováve e utlzação.

Utlzação

Quadro 2. Fonte de energa não renováve e utlzação. Fonte

Utlzação

Petróleo

Utlzado para abração de gaolna e deel utlzado em veíulo, lubrfiante, queroene, dentre outro. Am omo pode er utlzado em termelétra para a geração de eletrdade.

Gás natural

Utlzado omo ombuível em veíulo, oção de almento, aquemento de água e em termelétra.

Carvão mineral

Utlzado no aquemento de orno em ndutra derúrga, químa, dentre outra, am omo também é utlzado para a geração eletrdade em termelétra.

Urânio

Utlzado em una nuleare para a geração de eletrdade a partr da fião do urâno.

Matrz energéta bralera A figura 1 mora que o Bral egue o paradgma mundal energéto, uma vez que ua matrz energéta eá alada na larga utlzação do petróleo e eu dervado. O ombuíve óe e o urâno apreentam omo devantagen um oneroo proeo de produção de energa e extração, além de auar número mpa-

37

GEOGRAFIA

to ambenta em ambo o proeo.

Fgura 1. Bral enáro energéto por fonte.

38

O petróleo bralero é extraído prnpalmente de baa edmentare marítma, om deaque para a Baa de Campo do eado do Ro de Janero om era de 84% da produção naonal, há também a produção de petróleo em baa edmentare terrere, om deaque ao eado do RN, BA e AM. Todava, a partr de 2008 om a onfirmação da exploração do petróleo da amada de pré al o paí aumentou onderavelmente ua reerva petrolíera. O pré al é uma epea amada de al anteede um paote rooo que omado pouem 7.000 metro de prounddade, que e eende dede o lioral de SC até o ES e pou um óleo de exelente qualdade. Em 2014 a produção do pré al o de 412 ml barr dáro. Como o gá natural pode er aoado a ormação do petróleo no Bral a maore de gá eão na Baa de Santo e Campo.

Fgura 2. Camada do pré al.

Já no tange a produção de arvão mneral a maore reerva bralera enontra-e na regão ul, em SC e RS, embora hajam grande reerva o arvão bralero não poue boa qualdade neeiando de mportaçõe para abaeer a derrurga do paí.

Fgura 3. Oorrêna de arvão mneral no Bral.

No Bral exem apena exem apena dua una nuleare em operação, a de Angra I e II, no Ro de Janero om prevão de nauguração da Angra III , o expla a baxa utlzação do urâno omo onte de energa no paí. No que dz repeio a matrz elétra, o Bral tem a vantagen de apreentar numero ro audaloo que permiem a mplantação da hdréletra, que ão onte lmpa e renováve, ma que auam grande mpaco no período de onrução da una omo expulão da população rbernha,perda de bodverdade pelo alagamento da grande área, dentre outra.

Fgura 4. Matrz elétra bralera/ apadade nsalada em 2012.

A prnpa hdrelétra bralera ão: • Una Hdrelétra de Itapu, no Ro Paraná - Capadade: 14.000 MW; • Una Hdrelétra de Tuuruí, Ro Toantn - Capadade: 8.370 MW; • Una Hdrelétra de Ilha Soltera, no Ro Paraná - Capadade: 3.444 MW; • Una Hdrelétra de Xngó, no Ro São Frano - Capadade: 3.162 MW; • Una Hdrelétra de Foz Do Area, no Ro Iguaçu - Capadade: 2.511 MW; • Una Hdrelétra de Paulo Afono, no Ro São Frano - Capadade: 2.462 MW; • Una Hdrelétra de Itumbara, no

CAPÍTULO 17 - Os Grandes Problemas Ambientais

Ro Paranaíba - Capadade: 2.082 MW; • Una Hdrelétra de Tele Pre, no Ro Tele Pre - Capadade: 1.820 MW e • Una Hdrelétra de São Smão, no Ro Paranaíba - Capadade: 1.710 MW. E por fim, a bomaa que apear de er renovável tem avoredo o aumento de extena área monoultora denada a produção de boombuíve, omo no ao da ana de açúar, que dmnu a área denado a produção de almento e tende a onentração de terra.

17. OS GRANDES PROBLEMAS AMBIENTAIS O problema ambenta ão onequêna dreta da ntervenção humana no derente eoema da Terra, auando deequlíbro no meo ambente e omprometendo a qualdade de vda. É mportante lembrar que ada problema, em uma anále atual, deve er entenddo empre abordando 3 queõe: a. O que é? b. Caua()? . Conequêna() Fazendo o teremo uma noção lara de ada problema ambental, e ompreenderemo melhor ee tema tão mportante na atualdade. A egur, veremo o prnpa problema que oorrem na atualdade:

Devemo lembrar, ontudo, que o poluente, arregado pelo vento, podem vajar mlhare de qulômetro, provoando uva áda em loa muio dante da onte poludora. A uva áda, ao atngr o olo, empobree a vegetação natural e a plantaçõe. Também aeta a auna e a flora de ro e lagoa, prejudando a pea. Alguma medda podem atenuar a ormação de uva áda: eonoma de energa, uo de tranporte oletvo, ração e uo de onte de energa meno poluente, utlzação de ombuíve om baxo teor de enxore, et.

Dematamento O dematamento é uma da ntervençõe humana que ma prejudam o planeta. Pode auar éro dano ao lma, à bodverdade e à peoa. Dematar prejuda o eoema e leva à extnção de entena de epée. Árvore ão grande aborvedora de dóxdo de arbono, um do gae auadore do eeio eua (ver abaxo). Portanto, quando o homem derruba florea, também ntenfia o problema do aquemento global (ver abaxo). Dentre outra onequêna, o dematamento provoa degradação do olo, aumento da deertfiação e eroõe, muia veze omprometendo o ema hdrográfio. 39

Chuva Áda A uva áda é provoada pela produção de gae lançado na atmoera. Há agente natura que azem o, omo, por exemplo, o vulõe. A atvdade humana, ontudo, é a prnpal auadora do enômeno. Indútra, una termoelétra e veíulo de tranporte (que utlzam ombuíve óe) produzem ubproduto que e agregam ao oxgêno da atmoera e que, ao erem dolvdo na uva, aem no olo ob a orma de uva áda.

A políta de refloreamento, muio omentada no da atua, ão apena oluçõe para, po, anda que ajudem a onter o aquemento global, dfilmente onegurão reuperar a bodverdade da regõe aetada.

Efeio esufa O eeio eua é um meanmo atmoéro natural que mantém o planeta aquedo no lmie de temperatura neeáro à preervação da vda. Se não houvee a proteção do eeio eua, o rao olare que aqueem o planeta eram refletdo para o epaço e a Terra apreentara temperatura méda abaxo de -10oC.

GEOGRAFIA

no potenalza ee enômeno); e d. urgmento de volenta onda de alor, o que pode provoar a morte de doo, rança e vára epée de anma.

Burao na Camada de Ozôno O gá ozôno envolve a Terra na orma de uma rágl amada que protege a vda da ação do rao ultravoleta (emido pelo Sol). O rao ultravoleta auam mutaçõe no ere vvo, modfiando a moléula de DNA. Em ere humano, o exeo de ultravoleta pode auar âner de pele e aetar o ema munológo.

40

O eeio eua oorre quando uma parte da radação olar refletda pela uperíe terrere é aborvda por determnado gae preente na atmoera, entre o qua o gá arbôno ou dóxdo de arbono (CO2), o metano (CH4) e o óxdo niroo (N2O). Oorre que, om a quema de florea e a exagerada utlzação de ombuíve óe, grande quantdade de CO2 têm do lançada na atmoera. A emão deenreada dee e de outro gae aentua o eeio eua, a ponto de não permir que a radação olar, depo de refletda na Terra, volte para o epaço. Io bloquea o alor, aumentando a temperatura do planeta e provoando o aquemento global (ver abaxo). Para e dutr o problema e enontrar oluçõe, vára reunõe nternaona têm do realzada. O prnpal doumento aprovado até agora é o Protoolo de Kyoto, anado em 1997, que eabelee meta de redução do gae para derente paíe.

Aquemento Global Trata-e do aumento da temperatura méda da uperíe terrere. Algun enta arediam que, em breve, a temperatura méda poderão ear entre 1,4oC e 5,8oC ma alta, quando omparada à temperatura de 1990. Segundo algun pequadore, o aquemento global oorre em unção do aumento da emão de gae poluente, prnpalmente o dervado da quema de ombuíve óe. Ee gae (ozôno, dóxdo de arbono, metano, óxdo niroo e monóxdo de arbono) ormam uma amada de poluente de díl dperão, provoando o eeio eua. Entre a prnpa onequêna do aquemento global, o enta apontam: a. aumento do nível do oeano, provoado pelo derretmento da alota polare, o que pode provoar, no uturo, a ubmerão de dade liorânea; b. deertfiação: o aumento da temperatura omado ao dematamento provoa a morte de vára epée anma e vegeta, deequlbrando o eoema e, muia veze, rando deerto; . amplação do número de uraõe, tuõe e lone (a maor evaporação da água do oea-

No últmo ano, ontudo, enta detecaram um “burao” na amada de ozôno, exatamente obre a Antártda, o que dexa em proteção uma área de era de 30 mlhõe de km2. Pequadore arediam que o gá lorofluorarbono (CFC) é o prnpal reponável pela derução da amada de ozôno. Ee gá é utlzado em aparelho de rergeração, pray e na produção de matera omo, por exemplo, o opor. Ao egar à atmoera, o CFC entra em ontato om grande quantdade de rao ultravoleta, que quebram a moléula de CFC e lberam loro. Ee, por ua vez, rompe a moléula de ozôno (O3), ormando monóxdo de loro (ClO) e oxgêno (O2). Oorre que ee do gae não ão efiente para proteger a Terra do rao ultravoleta. Em 1985, váro paíe anaram a Convenção de Vena - e, do ano depo, o Protoolo de Montreal -, e omprometendo a dmnur a produção de CFC.

Inverão Térma A nverão térma é um enômeno atmoéro muto omum no grande entro urbano nduralzado, obretudo naquele loalzado em área erada por erra ou montanha. Ee proeo oorre quando o ar ro (ma deno) é mpeddo de rular por uma amada de ar quente (meno deno), provoando uma alteração na temperatura.

CAPÍTULO 17 - Os Grandes Problemas Ambientais

Outro agravante da nverão térma é que a amada de ar ra fia retda na regõe próxma à uperíe terrere om uma grande onentração de poluente. Sendo am, a dperão dee poluente fia extremamente prejudada, ormando uma amada de or nza, orunda do gae emido pela ndúra, automóve, et. Ee enômeno e ntenfia durante o nverno, po nea époa do ano, em vrtude da perda de alor, o ar próxmo à uperíe fia ma ro que o da amada uperor, nfluenando dretamente na ua movmentação. O índe pluvométro (uva) também é menor durante o nverno, ato que dfiulta a dperão do gae poluente. É mportante realtar que a nverão térma é um enômeno natural, endo regrada em área rura e om baxo grau de nduralzação. No entanto, ua ntenfiação e eu eeio novo e devem ao lançamento de poluente na atmoera, o que é muio omum na grande dade. Doença repratóra, rriação no olho e ntoxaçõe ão alguma da onequêna da onentração de poluente na amada de ar próxma ao olo. Entre a poíve medda para mnmzar o dano gerado pela nverão térma eão a utlzação de boombuíve, fialzação de ndúra, redução da quemada e políta ambenta ma efiaze.

Em São Paulo, por exemplo, já egou a er regrada uma derença de 10º Celu entre uma temperatura medda no entro e na perera da dade, enquanto que a méda mundal é de 9ºC. Ea anomala lmáta oorre devdo à junção de dvero atore omo a polução atmoéra (prnpalmente), alta dendade demográfia, pavmentação e dmnução da área verde, onrução de prédo barrando a paagem do vento, grande quantdade de veíulo e outro atore que ontrbuem para o aumento da retenção de alor na uperíe. Em um loal meno urbanzado, om ma área verde e meno prédo, a radação olar era aborvda normalmente pela vegetação e pelo olo, e dpada atravé do vento. A vegetação devolvera ea radação atravé da evapotranpração enquanto que a auêna de poluente permira que parte da radação reflete na uperíe e oe envada para a amada ma alta da atmoera, dmnundo a quantdade de alor. O problema é que, a ubiução da vegetação pelo aalto e onreto az om que a radação olar eja aborvda por ee matera e onvertda em onda de alor que fiarão armazenada, em grande parte durante o da, eapando à noie (o aalto pode egar a 46ºC em um da de verão enquanto que a grama não ultrapaa o 32ºC). A onrução de prédo ra uma barrera para o vento não dexando que o alor eja dpado. A preença de materal partulado no ar, provenente da amné de ndúra e eapamento do arro ra uma amada que barra a reflexão natural da maor parte do rao olare.

El Nno e La Nna O El Nño é um enômeno lmáto, de aráter atmoéro-oeâno, em que oorre o aquemento ora do normal da água uperfia e ub-uperfia do Oeano Paífio Equatoral. A aua dee enômeno anda não ão bem onheda pelo epeala em lma.

Ilha de Calor A “lha de alor” ão uma anomala do lma que oorrem quando a temperatura em determnada regõe do entro urbano fia muio maor do que a temperatura na regõe peréra.

Ee enômeno ouma alterar váro atore lmáto regona e globa omo, por exemplo, índe pluvométro (em regõe tropa de latiude méda), padrõe de vento e deloamento de maa de ar. O período de duração do El Nño vara entre 10 e 18 mee e ele aontee de orma rregular (em ntervalo de 2 a 7

41

GEOGRAFIA

ano).

CENTRO-OESTE

Tendêna de uva ama da méda e pequena elevação da temperatura

Sem grande alteraçõe

SUDESTE

Pequena elevação na temperatura méda no nverno

Sem grande alteraçõe

SUL

Aumento da tempera tura méda e do índe pluvométro

Longo período de eagem

Efeio do El Nño O vento opram om meno orça na regão entral do Oeano Paífio;  Aúmulo de água ma quente do que o normal na oa oee da Améra do Sul;  Dmnução na quantdade de pexe na regão entral e ul do Oeano Paífio e na oa oee do Canadá e Eado Undo; Intenfiação da ea no nordee bralero;   Aumento do índe de uva na oa oee da Améra do Sul;  Aumento da tempeade tropa na regão entral do Oeano Paífio;  Sea na regão da Indonéa, Índa e oa lee da Aurála;  Muio lmatologa arediam que o El Nño poa ear relaonado om o nverno ma quente na regão entral do Eado Undo, ea na Ára e verõe ma quente na Europa. Ee eeio anda eão em proeo de eudo.

Nota: O termo El Nño é de or-

42

 gem epanhola e e refere a Corrente de El Nño. O nome fo dado por peadore da osa do Peru e Equador, po na époa do Natal a regão osuma reeber uma orrente marítma de água quente. Por apareer no período natalno, El Nño (O  Menno) Jeu fo homenageado, pelo peadore, om o nome do fenômeno lmáto. O termo popular fo adotado também  pelo lmatologsa.   Quando o fenômeno é nvero, oor rendo um reframento fora do normal na água da regão equatoral do Oeano Paífio, dá-e o nome de La Nña.

Conequêna do El Nno e La Nna no Bral CONSEQUÊNCIAS BÁSICAS REGIÃO EL NIÑO

LA NIÑA

NORTE

Menor prepiação/ ea/ nêndo

Aumento da prepiação e do olume de água do ro

NORDESTE

Longo período de orte eagem

Aumento da preptação/ elevação da vazão do ro

18. GEOGRAFIA DO PARANÁ Loalzação O eado do Paraná loalza-e no ul do paí, endo que ua área é de aproxmadamente 199.314 km². O lmie do eado ão o egunte: Norte e Nordee – São Paulo. Sul e Sudee – Santa Catarna. Lee – Oeano Atlânto. Oee – Paragua. Noroee – Mato Groo do Sul. Sudoee – Argentna. Oberve o mapa abaxo:

Relevo O relevo paranaene é dvddo em no regõe, de aordo om ua epefidade, que pode e tranormar em trê grande planalto. Planíe liorânea – é a regão do lioral, entre o oeano atlânto e a erra do mar. É de ormação geológa reente, predomnantemente da Era Cenozoa. São deaque dea regão a dade de Paranaguá (onde fia o porto), Antonna, Morrete, Guaratuba e Matnho. Serra do mar – é o onjunto de montanha próxmo ao lioral. Ea montanha ão ormada por roa, e oberta pela Mata Atlânta. Sua ormação data da Era

CAPÍTULO 18 - Geografia do Paraná

Pré-Cambrana. O ponto ma alto do eado, o Po do Paraná, fia na Serra do Órgão, e tem era de 1 900 metro de altura. Prmero planalto ou planalto de Curiba – é o ma alto (altiude entre 1300 e 850 metro) e menor (em extenão) do planalto. Ea porção do Prmero Planalto eá obre uma erutura edmentar. O relevo é ondulado e a vegetação predomnante é a Mata da Arauára. A apial do eado, Curiba, fia nea regão.

Segundo planalto ou planalto de Ponta Groa

– a altiude varam entre 1200 e 300 metro. O relevo é ondulado e a vegetação é ompoa por Arauára e ampo. Nee Planalto a erutura geológa é ormada na Era Paleozoa. A prnpa dade da regão ão Ponta Groa e São Mateu do Sul. Terero planalto ou planalto de Guarapuava – é o maor do planalto em extenão. A altiude varam entre 1200 e 900 metro. A erutura geológa dea regão, é ormada na Era Meozoa, om olo de orgem vulâna muio érte, amado de Terra Roxa, muio utlzado para o deenvolvmento da agrultura. Nea área a vegetação orgnal (Florea Tropal e Mata da Arauára) quae não exe ma. Em eu lugar ão enontrada plantaçõe e pao. A prnpa dade ão Marngá, Foz do Iguaçu e Guarapuava. Veja o mapa abaxo, que repreenta a dvão do planalto paranaene.

por quae no ano. A hdrografia do Paraná pode er lafiada em no baa hdrográfia menore, ma toda lgada a grande Baa do Paraná. a. Baa do Ro Paraná que pou ua naente em Mna Gera, om a junção do Ro Paranaíba e Grande, tem omo afluente o Ro Tetê, em São Paulo, ma no Paraná o afluente ma mportante ão o ro Pqur e Ivaí; b. Baa do Ro Paranapanema que eá na dva do Eado do Paraná om São Paulo é drenada pelo ro Prapó, Tbag, da Cnza e Itararé; . Baa do Ro Iguaçu que tem ua naente no Prmero Planalto paranaene, (Curiba), tem omo prnpa afluente o ro Chopm, no ul do eado, e o ro Negro, no lmie om o Eado de Santa Catarna, é um do ro do Eado om maor aproveiamento hdráulo, tendo em eu uro vára una nalada. d. Baa do Ro Rbera, uja água eguem para o ro Rbera do Iguape; e. Baa Atlânta ou do Lioral Paranaene, uja água eguem dreto para o Oeano Atlânto,  já que a naente dee ro eão na porção Lete da Serra do Mar, omo demo anterormente, ão ro urto, om pequeno volume de água, e ervem para abaeer a dade loalzada no lioral do eado. Anale o mapa abaxo:

Hdrografia O terrióro paranaene é bem ervdo na ua rede de drenagem. A delvdade do relevo paranaene na dreção oee e norte-odental azem om que 92% da água nterna e drjam à Baa do Ro Paraná, e a dema à lee no entdo da Baa Atlânta, endo ee uro d’água pouo exteno, po naem à pequena dâna da oa. O ro paranaene ão de planalto, por o ma adequado para a geração de energa. Pouem regme pluval, ou eja, ua água ão mantda pelo índe de uva. São ro perene, e pouem drenagem exorrea.(deaguam dretamente ou ndretamente no oeano). O Eado é reponável por 25% de toda energa hdrelétra produzda no Bral. O volume gerado por Itapu em 12 mee era ufiente para abaeer o Paraná

Clma O Paraná eá quae totalmente na regão de lma ubtropal, apena uma pequena porção norte do eado enontra-e em uma regão Tropal. (regão “ortada” pelo Trópo de Caprórno). A ampliude térma anual do Eado vara entre 12 e 13ºC, om exeção do lioral, onde a ampliude térma varam de 8 a 9ºC A uva ão bem drbuída. A menore quantdade de uva eão no extremo noroee, norte e nordee do Eado e a maore oorrem no lioral, junto à erra, no planalto do entro-ul e do lee paranaene.

43

GEOGRAFIA

De aordo om a lafiação de Köppen, no Eado do Paraná domna o lma do tpo C (Meotérmo) e, em egundo plano, o lma do tpo A (Tropal Chuvoo), ubdvddo da egunte orma: A – Clma Tropal Superúmdo, om méda do mê ma quente ama de 22ºC e do mê ma ro uperor a 18ºC, em eação ea e ento de geada. Aparee em todo o lioral e no opé orental da Serra do Mar. Cf – Clma Subtropal Úmdo (Meotérmo), om méda do mê ma quente neror a 22ºC e do mê ma ro neror a 18ºC, em eação ea, verão brando e geada evera, demaadamente reqüente. Drbu-e pela terra ma alta do planalto e da área errana (Planalto de Curiba, Campo Gera, Guarapuava, Palma, et). Ca – Clma Subtropal Úmdo (Meotérmo), om méda do mê ma quente uperor a 22ºC e no mê ma ro neror a 18ºC, em eação ea definda, verão quente e geada meno requente. Drbundo-e pelo Norte entro, Oee e Sudoee do Eado, pelo vale do Ro Rbera e pela vertente liorânea da Serra do Mar. Veja o mapa abaxo:

44

Vegetação O Eado do Paraná, omo em grande parte do Bral, a vegetação orgnal já o baante alterada. Ma é poível dentfiar no Eado, do tpo de vegetação orgnal: florea e ampo. A florea ão ubdvdda em florea tropal e florea ubtropal. O ampo ão ubdvddo em ampo lmpo e ampo errado.

Floresa a. Floresa tropal:  Faz parte da Mata Atlânta, que reobra toda a aada orental do Bral om ua ormaçõe latolada, perene, dena e heterogênea. No Paraná, oupava prmtvamente a 46% do eado, aí nluída a porçõe ma baxa (baxada liorânea, enoa da erra do Mar, vale do Paraná, Iguaçu, Pqur e Ivaí) ou de menor latiude (toda a parte etentronal do eado). b. Floresa de Arauára: São típa da

regão Sul e prnpalmente do Paraná. A florea ubtropal é uma florea ma, ompoa por ormaçõe latolada, na área ma quente, e aulolada na regõe ma ra. São predomnantemente adua ou deídua, homogênea. Tendo omo grande deaque o pnhero-do-paraná (Arauára anguóla), que não aparee em agrupamento puro. A florea ma ou Mata de Arauára reobra a porçõe ma elevada do eado, o é, a maor parte do planalto de Curiba e pequena parte do planalto de Ponta Groa. Ea ormação oupava 44% do terrióro paranaene e anda parte do eado de São Paulo, Santa Catarna e Ro Grande do Sul. Tem ordo ao longo do tempo, grande exploração, devdo a expanão da agrultura, da peuára, da onrução vl e da ndúra de move, bem omo do onumo de ua emente o que tem prejudado ua reprodução, até pela extnção de ua grande reprodutora a Gralha Azul, ave que já eá pratamente extnta de noa regão. . Erva-mate: Além do pnhero, a florea ma oeree também epée latolada de valor eonômo, omo mbua, o edro e a erva-mate. A erva-mate é uada na bebda típa da regão ul do Bral, o Chmarrão e no paí vznho o Paragua o mate gelado amado na regão de Tereré. No final do éulo XX, apena pequena parte da ormaçõe vegeta ubam no eado. A últma reerva florea do Paraná enontram-e na planíe liorânea, na enoa da erra do Mar e no vale do ro Iguaçu, Pqur e Ivaí. d. Campo: O ampo lmpo obrem o terrióro do Paraná ob o ormato de mana epara atravé do planalto paranaene. A ma extena dea mana é a do amado Campo Gera, que reobrem toda a porção orental do planalto de Ponta Groa e têm o ormato de uma ggantea mea-lua no mapa de vegetação do eado. Outra mana de ampo lmpo ão a de Curiba e Caro, no prmero planalto paranaene, a de Guarapuava, Palma e outra, menore, no terero planalto paranaene. O ampo lmpo oupam ma de 9% do terrióro paranaene. O ampo errado têm poua expreão no Paraná, onde oupam área muio reduzda — meno de 1% da uperíe eadual. Formam pequena mana no planalto de Ponta Groa e no planalto de Guarapuava.

CAPÍTULO 18 - Geografia do Paraná

Apeco Humano A quantdade de peoa que vve no Paraná é aproxmadamente 11.081.692. O número repreenta 5,5% de toda a população o paí, de 202,7 mlhõe, de aordo om normaçõe dvulgada pelo Iniuto Bralero de Geografia e Eatía (IBGE). Com o remento de aproxmadamente 0,76% em omparação om o ano paado, o Paraná mantém a poção de exto eado ma populoo do paí, anteeddo por São Paulo (44.035.304), Mna Gera (20.734.097), Ro de Janero (16.461.173), Baha (15.126.371) e Ro Grande do Sul (11.207.274). Entre o 25 munípo ma populoo do Bral, o Paraná é repreentado apena por Curiba, que, am omo no ano paado, oupa a oiava poção – tanto omo munípo olado omo apial. A apial paranaene tem 1.864.416 habiante – remento de 0,83% em relação ao memo período de 2013. Deonderando a apia, Londrna é outro munípo que aparee na relação do 25 ma populoo do Bral. São 543.003 peoa, número que dexa o munípo em 18º lugar. A la é lderada por Guarulho (São Paulo), om 1.312.197 habiante. Entre a 25 maore regõe metropoliana, a de Curiba (RMC) eou ea edção do IBGE em 9º lugar. São 3.414.115 habiante. O número é 1,68% maor do que o regrado em 2013. Por últmo (25ª oloação) eá a regão metropoliana de Londrna (818.300 habiante), que reeu 0,4% no período. Por outro lado, dua dade do eado eão entre o 25 munípo meno populoo. Jardm Olnda (1.416) e Nova Alança do Ivaí (1.509) apareem em 15º e 21º lugar. Somado, o do loa não egam nem a 3 ml habtante. A pequa do IBGE morou anda que, am omo o enáro naonal, a maor parte do munípo do Paraná (107 de 399) tem axa de população entre 10.001 e 20 ml habiante. Ama de 500 ml ão apena dua (Curiba e Londrna).

Rankng no esado: O dez munípo do eado om maor número de

moradore ão, além de Curiba, Londrna (543.003), Marngá (391.698), Ponta Groa (334.535) e Caavel (309.259). Completam a la São Joé do Pnha (292.934), Foz do Iguaçu (263.647), Colombo (229.872), Guarapuava (176.973) e Paranaguá (149.467). A relação é a mema que a apreentada do ano paado pelo IBGE, em exluão ou nluão de nova dade. Já entre a no dade om meno habiante, toda eão loalzada entre o Norte Central e o Noroete do Paraná. Além do, quatro dela tveram redução na quantdade de moradore na omparação om o ano paado. Jardm Olnda ontnua a “lderar” a la. Em 2013, hava no loal 1.424 peoa – oio a ma do que ee ano. Apareem anda Nova Alança do Ivaí (1.509, nove a ma que em 2013); Santa Inê (1.784, vnte a meno que em 2013); Mraelva (1.890, e a meno que em 2013) e Eperança Nova (1.922, 24 a meno que em 2013).

45

Apeco Eonômo O Eado do Paraná, e deaa no enáro eonômo naonal omo um do maore repreentante e mportante no que e reere a agrultura, a peuára, a ndúra e oméro. Pou uma eonoma dverfiada e moderna, o que omprova ua mportâna na eonoma bralera. Vamo analar, de manera mple um pouo de ada atvdade eonôma do eado.

Agrultura O olo paranaene é értl, avoreendo a atvdade agríola. Prnpalmente o Terero Planalto onde e enontra um do olo ma ro do mundo, o olo de terra roxa. Solo de orgem vulâna, naturalmente értl o que permie que ea regão e torne deaque prnpalmente na agrultura. O Eado produz uma grande varedade de ultura, e deaa omo mportante produtor de trgo, mlho, oja, algodão e aé.

View more...

Comments

Copyright ©2017 KUPDF Inc.